Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

sexta-feira, junho 02, 2017

PGR pedirá informações sobre contas no exterior que podem ter abastecido o PT

Lula e sua Marionete Dilma



No acordo de delação premiada, Joesley Batista, dono da JBS, disse que contas usadas na Suíça chegaram a ter US$ 150 milhões e abasteceram campanhas de Lula e Dilma.

PGR vai pedir a Suíça e EUA dados sobre contas citadas por Joesley
PGR vai pedir a Suíça e EUA dados sobre contas citadas por Joesley
A Procuradoria-Geral da República vai pedir informações às autoridades dos Estados Unidos e da Suíça sobre as contas bancárias que, segundo a delação de Joesley Batista da JBS, abasteceram campanhas do PT. 
 
As contas na Suíça foram abertas em 2009 e em 2014. 
 
Na delação, o dono da JBS, Joesley Batista, contou que elas foram usadas para movimentar dinheiro ilegal para as campanhas dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. 
 
Leia ao final desta reportagem as versões de Lula e Dilma sobre o assunto.
 
Segundo o jornal "O Estado de S. Paulo", a Suíça detectou transações atípicas e, antes mesmo da delação, o banco suíço Julius Baer denunciou o uso das contas às autoridades do país.
 
A reportagem diz que o volume de dinheiro e os padrões de transferência sem justificativa levantaram suspeitas de crimes financeiros, embora a instituição desconheça os beneficiários.
A TV Globo confirmou as informações. 
 
Na delação, Joesley Batista disse que as duas contas juntas chegaram a ter US$ 150 milhões. 
 
E detalhou:
"Teve duas fases. 
 
Teve a fase do presidente Lula e depois a fase da presidente Dilma. 
 
Na fase do presidente Lula chegou, eu acho, que a uns US$ 80 milhões. 
 
Depois, na Dilma, chegou nuns US$ 70. 
 
Ou ao contrário: [US$] 70 [milhões] na do Lula e [US$] 80 [milhões], na da Dilma."
 
Segundo o empresário, as negociações dos valores eram feitas com o então ministro da Fazenda, Guido Mantega.
 
O Jornal Nacional apurou que o banco suíço decidiu denunciar porque estranhou o volume de dinheiro que entrava nas contas. 
 
Eram sucessivos depósitos, valores muito altos que ficavam parados por muito tempo e depois saíam em frações menores. 
 
A Procuradoria-Geral da República vai pedir o envio dessas provas ao Brasil. 
 
Essas contas estavam em nome de offshores mas, como o próprio Joesley já confessou, se tratava de propina, paga por ele para bancar gastos de campanhas eleitorais.

Suíça

A Suíça vem apertando o cerco contra lavagem de dinheiro e evasão de divisas. 
 
Os bancos suíços não podem mais abrir contas sem identificar de quem são os recursos e, no ano passado, o país criou novas regras de controle, ainda mais rígidas, como a obrigação de reportar qualquer movimentação suspeita à autoridade monetária europeia. 
 
O Julius Baer, banco que denunciou as transações suspeitas, foi o mesmo usado pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para esconder dinheiro fora do país, segundo as investigações da Lava Jato.
 
A suíça mandou para o Brasil as investigações sobre o caso dele e também as provas do dinheiro movimentado pelos marqueteiros João Santana e Mônica Moura - que acabaram confessando o recebimento de dinheiro ilegal em delação premiada.

João Vaccari

Os procuradores da Lava Jato também estão rastreando outra movimentação financeira fora do Brasil, delatada por executivos da JBS. 
 
É uma conta em Nova York (EUA), que começou a ser usada pelo ex-tesoureiro do PT. 
 
Joesley Batista contou que já tinha essa conta e permitiu que João Vaccari a usasse para receber recursos nos Estados Unidos.
 
"Aí a gente emprestou um número de uma conta bancaria no exterior, que era nossa, em nosso nome, onde volta e meia eu recebia pagamentos e volta e meia ele comandava pagamentos ou no exterior ou pedia em dinheiro, ou fazia doação oficial, fazia compensação, fazia planilha, enfim...", disse o delator. 
 
A Procuradoria-Geral da República vai comunicar aos Estados Unidos, via Ministério da Justiça, que Joesley emprestou uma conta americana para Vaccari. 
 
A intenção é obter provas dessas movimentações.

Versões

Procurada, a assessoria de Lula declarou que é falso, leviano e até criminoso atribuir ao ex-presidente qualquer relação com uma conta que não é dele e da qual o ex-presidente nunca teve conhecimento. 
 
A assessoria da ex-presidente Dilma declarou que é fanasiosa a versão de que ela seria beneficiária de uma conta na Suíça e que Dilma nunca recebeu qualquer benefício financeiro de Joesley Batista.
 
A defesa de Guido Mantega disse que Joesley não prova o que diz.
 
A defesa de João Vaccari não quis comentar o assunto.

Nenhum comentário: