Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

sexta-feira, março 31, 2017

Brasileiro gasta 5 meses de trabalho para pagar impostos. E onde está o retorno?





































A reforma tributária está em pauta no governo, mas pelo que já foi dito até agora, o sinal dado à população é de que não existe intenção em reduzir a carga tributária, pelo contrário, temos o risco de ver uma carga maior no futuro próximo.

Além da notícia não agradar a ninguém, isso reforça o peso cada vez maior dos impostos no bolso da população ao longo dos anos. 


E não falo isso apenas por "sensação" de que a pressão está maior, a carga tributária brasileira realmente vem crescendo de um modo assustador ao longo do tempo.

Basta observar o quanto o brasileiro precisa trabalhar por ano para dar conta da carga tributária. 


Um estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) mostra a evolução do peso dos tributos ao longo do tempo. 

Na gestão de Fernando Collor, por exemplo, o brasileiro precisava trabalhar 3 meses inteiros somente para pagar a carga tributária. 

Da gestão de Itamar Franco até Fernando Henrique Cardoso, o tempo de trabalho para cobrir a carga tributária cresceu gradativamente para 4 meses. 


Nos anos entre Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff o tempo de trabalho saltou para 5 meses. 

Em 2016, o brasileiro precisou trabalhar 5 meses e 1 dia para conseguir arcar com a carga tributária do país. 

Em comparação à década de 1970, por exemplo, o tempo de trabalho para cobrir os tributos dobrou. 

Somente entre 2015 e 2016, houve elevação em dez impostos. 

O estudo completo com a evolução dessa carga tributária pode ser conferido aqui.

Do ponto de vista histórico, a cobrança de impostos existe desde os tempos bíblicos. 


Em tese, a criação visava uma relação de troca que garantisse o bem-estar social. 

As pessoas pagariam seus tributos ao Estado e, em troca, receberiam o amparo necessário para ter saneamento, segurança, saúde, educação, entre outros.

Do ponto de vista teórico, a relação é justa, mas na prática nem todos os países estabelecem isso de uma maneira eficiente. 


A Dinamarca e a França, por exemplo, estão entre os países que mais cobram tributos da população - a carga, inclusive, supera a do Brasil. 

No entanto, o retorno desses impostos para a população é muito maior do que aqui.

Além de lidarmos com uma carga tributária crescente, o país ainda tem uma péssima qualidade de serviços. 


Falta investimento em logística para baratear os custos de produção, a qualidade do transporte público é ruim, falta saneamento decente principalmente nas regiões periféricas, falta qualidade na saúde pública e na educação, e a questão da segurança pública é calamitosa. 

Basta ver a situação da criminalidade em grandes capitais, como São Paulo e Rio de Janeiro, além da crise carcerária que recentemente foi amplamente divulgada pela mídia.

Desde o agravamento da crise econômica, o governo bate na tecla de que é preciso aumentar a arrecadação para a retomada da economia. 


No entanto, com uma das maiores cargas tributárias do mundo e sem o retorno desses tributos para a sociedade, fica difícil acreditar que essa saída é interessante.


Referência do autor:

Samy Dana é professor da Fundação Getulio Vargas, comentarista do programa Conta Corrente (Globo News) e do telejornal Hora 1 (rede Globo). 

É também colunista da o Portal G1 de notícias, da Época Negócios e da Rádio Globo.

Possui mestrado em economia e doutorado em administração, além de ser Ph.D. em Business. 

Samy possui mais de 15 anos de experiência em consultorias e apresentação de palestras. 

É autor de vários livros ligados a finanças, economia e negócios.

Entre os mais conhecidos estão as obras “Seu Bolso”, “Em busca do Tesouro Direto” e “Finanças Femininas”.


Nenhum comentário: