Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

sábado, dezembro 16, 2017

Três são presos suspeitos de executar prefeito a tiros em Colniza

Prefeito Esvandir Antônio Mendes foi assassinado na sexta-feira (15); suspeitos foram presos neste sábado (16), quando chegavam a Castanheira.

Por G1 MT
Suspeitos foram presos por policiais do Garra e foram encaminhados para interrogatório (Foto: Harlis Barbosa/Arquivo pessoal)
 
Suspeitos foram presos por policiais do Garra e foram encaminhados para interrogatório (Foto: Harlis Barbosa/Arquivo pessoal).
 
Três homens foram presos suspeitos de executar o prefeito de Colniza, a cerca de 1 mil quilômetros de Cuiabá, e de tentarem matar o secretário de Finanças do município.  
 
 
O secretário Admilson Ferreira dos Santos, de 41 anos, também foi atingido por disparos. 
 
As prisões foram efetuadas pelo Grupo Armado de Resposta Rápida (Garra) da Polícia Civil.
 
Os suspeitos, identificados como Zenilton Xavier de Almeida, Antônio Pereira Rodrigues Neto e Welisson Brito Silva, foram presos em uma estrada entre os municípios de Juruena e Castanheira, a 893 km e 780 km de Cuiabá, respectivamente. 
 
O G1 não localizou a defesa dos suspeitos. 
 
O motivo do crime ainda não foi esclarecido.
Polícia prende três suspeitos de assassinar o prefeito de Colniza/MT
Polícia prende três suspeitos de assassinar o prefeito de Colniza/MT.
 
Antônio é morador de Colniza e apontado como o suposto mandante do crime, tendo também participado da execução do prefeito, segundo a polícia. 
 
Ele teria contratado os dois comparsas no Pará para participarem da ação. 
 
Eles foram encaminhados para serem interrogados por Edison Pick, titular de Colniza, e Caio Álvares de Albuquerque, da força-tarefa de Cuiabá.
Suspeitos foram levados para a Delegacia da Polícia Civil de Colniza (Foto: Harlis Barbosa/Arquivo pessoal)

Suspeitos foram levados para a Delegacia da Polícia Civil de Colniza (Foto: Harlis Barbosa/Arquivo pessoal).
 
De acordo com a polícia, o trio estava em um Uno cinza no momento em que foram abordados pelos policiais do Garra, a cerca de 20 km de Castanheira, já tendo abandonado o carro que foi utilizado para perseguirem o prefeito e cometerem o crime, apontado como um SUV de cor preta. 
 
Esse último veículo foi localizado e está sendo analisado pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). 
 
Dentro do automóvel foram apreendidos R$ 60 mil, em dinheiro, que seria o pagamento pela execução do prefeito. 
 
As armas usadas no crime foram encontradas jogadas em um rio. 
 
O Corpo de Bombeiros foi acionado para retirá-las.
Prefeito de Colniza, Esvandir Mendes, conhecido como Vando Colnizatur, tinha 61 anos (Foto: Arquivo Pessoal) 

Prefeito de Colniza, Esvandir Mendes, conhecido como Vando Colnizatur, tinha 61 anos (Foto: Arquivo Pessoal).
 

O crime.

As investigações apontam que o prefeito conduzia uma caminhonete preta e estava acompanhado do secretário de Finanças, sendo interceptado pelos suspeitos a cerca de 7 km da entrada da cidade. 
 
Os executores efetuaram vários disparos contra o prefeito, que ainda conseguiu dirigir, mas morreu já no perímetro urbano da BR-174. 
 
Dois disparos feriram a perna esquerda e as costas do secretário, sendo um na perna esquerda e outro nas costas. 
 
O quadro de saúde do secretário é estável.
Dezenas de pessoas compareceram ao velório do prefeito de Colniza, no ginásio da cidade (Foto: Harlis Barbosa/Arquivo pessoal)
 
Dezenas de pessoas compareceram ao velório do prefeito de Colniza, no ginásio da cidade (Foto: Harlis Barbosa/Arquivo pessoal).
 
O corpo do prefeito foi velado em um ginásio, na região central da cidade, neste sábado. 
 
O velório foi encerrado por volta das 14h [horário de Mato Grosso]. 
 
O corpo será transladado para Ji-Paraná (RO), onde deve ser enterrado no domingo (17).

Município mais violento.

Colniza já foi considerado o município mais violento do país, em 2007, segundo levantamento do Mapa da Violência. 
 
De acordo com o estudo, a taxa de homicídios em Colniza foi de 165,3 casos a cada 100 mil habitantes. 
 
Em março deste ano, o ex-vereador Élpido da Silva Meira (PR), de 53 anos, também foi assassinado a tiros dentro de casa, em Colniza
 
Ele foi atingido por disparos no tórax, segundo a Polícia Militar, quando chegava na residência. 
 
Nada foi levado da casa pelos suspeitos.
 
A região de Colniza é conhecida como uma área de conflitos agrários.  
 
 
A motivação dos crimes seria a extração de recursos naturais da área. 
 
Localização do município de Colniza, onde o prefeito foi assassinado a tiros (Foto: Roberta Jaworski/G1) 
Localização do município de Colniza, onde o prefeito foi assassinado a tiros (Foto: Roberta Jaworski/G1)

Prefeitos assassinados.

Em 2017, outros três prefeitos foram mortos em circunstâncias semelhantes no Brasil. 
 
No Pará, em maio deste ano, Diego Kolling (PSDB), prefeito de Breu Branco, morreu depois de ser atingido por disparos enquanto andava de bicicleta
 
 
Em julho, o prefeito de Tucuruí, Jones Willian (PMDB), também no Pará, foi baleado e morreu. 
 
Ele vistoriava uma operação tapa-buraco, quando dois homens em uma moto o abordaram e atiraram várias vezes. 
 
 
Já no estado de Rondônia, o prefeito de Candeias do Jamari, foi assassinado ao chegar em casa
 
Conforme a polícia, o prefeito estava dentro do próprio carro que levou os tiros de pistola. 
 

Bilionário canadense e sua mulher são encontrados mortos em mansão

Polícia disse que trata circunstâncias como “suspeitas”, mas afirma que não encontrou indícios de arrombamento na propriedade.


Por G1
Polícia do Canadá investiga a morte de casal de bilionários em Toronto
Polícia do Canadá investiga a morte de casal de bilionários em Toronto.
 
O casal bilionário canadense Barry e Honey Sherman foi encontrado morto nesta sexta-feira (15) em sua mansão, em Toronto. 
 
A polícia afirmou à imprensa local que trata o caso como suspeito. 
 
Barry Sherman é o fundador da gigante farmacêutica do ramo de genéricos Apotex, além de filantropo e um dos homens mais ricos do Canadá. 
 
A polícia deu poucas informações sobre o caso e não chegou a divulgar a identidade das vítimas, mas diversas autoridades manifestaram os pêsames publicamente, incluindo o primeiro-ministro do país, Justin Trudeau. 
 
As autoridades afirmaram, no entanto, que não encontraram indícios de arrombamento ou invasão na mansão. 
 
"A ciscunstâncias das mortes parecem suspeitas e as estamos tratando dessa forma", disse o porta-voz da polícia Constable David Hopkinson, segundo a BBC. 
 
Ele também afirmou que a corporação recebeu um chamado ao meio-dia de sexta para verificar o ocorrido.
 
“Sophie e eu estamos tristes pelas notícias do súbito falecimento de Barry e Honey Sherman. 
 
Nossas condolências às suas famílias e amigos, e a todos tocados pela visão e espírito deles”, declarou Trudeau, via Twitter.
Corpo é retirado de mansão em Toronto, no Canadá, onde o bilionário Barry Sherman e sua mulher, Honey, foram encontrados mortos (Foto: Chris Helgren/Reuters)
Corpo é retirado de mansão em Toronto, no Canadá, onde o bilionário Barry Sherman e sua mulher, Honey, foram encontrados mortos (Foto: Chris Helgren/Reuters). 
 
Segundo a BBC, o casal tinha quatro filhos. 
 
Sherman fundou a Apotex, agora a sétima maior farmacêutica do mundo em 1974. 
 
De acordo com a revista "Forbes", sua fortuna era estimada em US$ 3,2 bilhões.

sexta-feira, dezembro 15, 2017

Em 2016, 24,8 milhões de brasileiros viviam na miséria, 53% a mais que em 2014, revela IBGE


Após o início da crise econômica no país, 8,6 milhões de brasileiros a mais passaram a viver com menos de ¼ do salário mínimo por mês. População com renda de até ½ salário mínimo chegou a 36,6 milhões de pessoas.



Por Daniel Silveira, G1 Rio
O Brasil encerrou o ano de 2016 com 24,8 milhões de brasileiros vivendo com renda inferior a ¼ do salário mínimo por mês, o equivalente a R$ 220. O resultado representa um aumento de 53% na comparação com 2014, quando teve início a crise econômica no país.
Isso significa que 12,1% da população do país vive na miséria, conforme aponta a Síntese de Indicadores Sociais (SIS) divulgada nesta sexta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Em 2016, o IBGE mudou a metodologia da SIS, passando a usar a amostra da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, que reúne informações de 3.500 municípios. Antes, o IBGE usava a Pnad, que recolhe informações de cerca de 1.000 cidades. Por conta disso, o IBGE considera que nem todos os dados da pesquisa de 2016 são comparáveis com os anos anteriores. Todavia, é possível comparar as projeções relativas de cada uma das pesquisas, como o número de pessoas que vivem com cada faixa de renda.
Cinquenta e dois milhões de brasileiros vivem na pobreza, diz IBGE
Cinquenta e dois milhões de brasileiros vivem na pobreza, diz IBGE
Em 2014, o levantamento do IBGE mostrou que havia 16,2 milhões de brasileiros com rendimento mensal abaixo de ¼ do salário mínimo. Assim, aumentou em 8,6 milhões o número de pessoas com esta faixa de renda em 2 anos.
De acordo com a classificação adotada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), famílias com renda de até ¼ do salário mínimo per capita vivem na chamada "pobreza extrema". Aqueles que vivem com até meio salário vivem em "pobreza absoluta".
Considerando a faixa de rendimento per capita entre ¼ e ½ salário mínimo, em 2016 havia mais 36,6 milhões de brasileiros que poderiam ser classificados em situação de pobreza. Na comparação com 2014, aumentou em 2,1 milhões (6% a mais) o número de pessoas nesta condição.

Distribuição por regiões

O maior número de pessoas em extrema pobreza estava concentrado na região Nordeste – eram 13,1 milhões de pessoas vivendo com menos de ¼ do salário mínimo por mês na região. O menor contingente de pessoas nesta condição foi observado no Centro-Oeste – cerca de 900 mil pessoas (veja gráfico abaixo).
Infográfico sobre situação da pobreza no Brasil (Foto: Arte/G1) Infográfico sobre situação da pobreza no Brasil (Foto: Arte/G1)
Infográfico sobre situação da pobreza no Brasil (Foto: Arte/G1)

Outras classificações

Em nível internacional, o Banco Mundial considera como situação de pobreza extrema a linha de US$ 5,5 por dia para consumo individual. Em 2016, esse valor correspondia, no Brasil, ao rendimento mensal de R$ 387,15 por pessoa, de acordo com o IBGE.
Com base nesta classificação, havia no país 52,2 milhões de brasileiros em pobreza extrema. A maior proporção de pessoas nesta condição foi observada no Maranhão (52,4% da população local), e a menor em Santa Catarina (9,4% da população local).
Ainda com base nesta classificação do Banco Mundial, o IBGE destacou que 42 em cada 100 crianças com até 14 anos de idade viviam em situação de extrema pobreza, o que corresponde a 17,8 milhões de pessoas nesta faixa etária. “No mundo, 50% dos pobres têm até 18 anos”, enfatizou o instituto.

Desigualdade na distribuição de renda

Os dados reforçam a constatação histórica de que “o Brasil é um país de alta desigualdade de renda, inclusive quando comparado a outros países da América Latina, região do planeta onde a desigualdade é mais pronunciada”, segundo o IBGE..
Para fazer esta análise, o IBGE fez três bases de comparação a partir do rendimento médio mensal domiciliar per capita e concluiu que:
  • 1% dos domicílios com maiores rendimentos tinha renda 38,4 vezes maior que 50% dos que têm menores rendimentos;
  • 20% dos domicílios com maiores rendimentos tinham renda 18,3 vezes maior que 20% dos que têm menores rendimentos;
  • 10% dos domicílios com maiores rendimentos tinham renda 16,3 vezes maior que 40% dos que têm menores rendimentos.
O IBGE observou, ainda, que se mantém no país a desigualdade de renda por cor ou raça. Em 2016, entre os 10% da população com os menores rendimentos, 78,5% eram pretos ou pardos. No outro extremo, ou seja, dentre os 10% da população com os maiores rendimentos, apenas 24,8% eram pretos ou pardos.

Condições de moradia

Outra variável usada pelo IBGE para avaliar a desigualdade econômico no Brasil foi observar as condições de moradia da população. Os principais indicadores avaliados dizem respeito à cobertura dos serviços de saneamento básico e, segundo o instituto, têm “cobertura significativamente menor entre a população com rendimento abaixo de 5,5 dólares por dia”.
De acordo com a pesquisa, 63,7% da população do país tinha acesso a esgotamento sanitário por rede coletora ou rede pluvial, 84,9% tinha o domicílio abastecido com água por rede geral de distribuição e 89,5% tinham coleta direta ou indireta de lixo. Já entre a população que vivia em situação de extrema pobreza estes percentuais foram, respectivamente, de 42,2%, 73,3% e 76,5%.
O acesso simultâneo aos três serviços básicos de saneamento foi de 62,1% para o total da população e de 40,4% para a parcela em situação de pobreza extrema. A Região Metropolitana de São Paulo foi a que apresentou a maior proporção de pessoas (95,2%) com acesso aos três serviços, enquanto a menor foi observada na Grande Teresina (7,4%).

Pobreza além da renda

Ao ampliar a análise da pobreza para além da renda, ou seja, para questões relacionadas à saneamento básico e educação, o IBGE constatou que, em 2016, 64,9% do total da população brasileira possuía ao menos uma característica que o colocava no que o IBGE classifica como “pobreza multidimensional”.
Em ocupação na Zona Sul de Porto Alegre esgoto corre a céu aberto e casas de madeira se alternam com de alvenaria (Foto: Hygino Vasconcellos/G1) Em ocupação na Zona Sul de Porto Alegre esgoto corre a céu aberto e casas de madeira se alternam com de alvenaria (Foto: Hygino Vasconcellos/G1)
Em ocupação na Zona Sul de Porto Alegre esgoto corre a céu aberto e casas de madeira se alternam com de alvenaria (Foto: Hygino Vasconcellos/G1)
Segundo o IBGE, “a evolução de indicadores monetários pode diferir de indicadores não monetários de tal forma que o crescimento econômico não seja suficiente para garantir progresso”. A partir desta reflexão, o instituto avaliou, além da renda e do acesso a saneamento básico, o acesso à educação, à proteção social, à moradia adequada e à comunicação e concluiu que:
  • 28,6% da população tinha restrição de acesso à educação
  • 15,2% população tinha restrição de acesso à proteção social
  • 12% da população tinha restrição de acesso às condições adequadas de moradia
  • 37,9% da população tinha restrição de acesso aos serviços de saneamento básico
  • 32,1% população tinha restrição de acesso à comunicação (internet)
O IBGE enfatizou que “o acesso a direitos é uma questão fundamental para se ter um desenvolvimento inclusivo” e que a análise destes dados “é relevante para direcionar políticas” públicas para se combater a pobreza no país.