Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

quinta-feira, julho 31, 2014

Fernando José deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Inauguração do Comitê Central de Campanha Eleitora...":


Parabéns jornalista Valter Desiderio pela linda reportagem da inauguração do comitê de campanha de Gesmar


Como sempre, você dá um show de cobertura de eventos do nível desta inauguração do comitê de campanha do PSD. 

Por isso que você é o melhor jornalista de Parauapebas e região. 

Gesmar será o nosso deputado estadual e tenho certeza que ele irá representar o nosso município muito bem lá em Belém e aquilo que os outros que já foram deputado tanto estadual e federal que nunca trouxeram nada de bom para o nosso município, o Gesmar vai trazer. 

O nosso querido prefeito Valmir vai poder contar com um grande aliado dele na Assembleia Estadual para conquistar muitas coisas boas para o nosso município sepultar definitivamente da nossa cidade o PT e o PMDB que só contribuíram até agora para o atraso da nossa cidade. 

Mas graças a Deus que o nosso prefeito Valmir Mariano está desenvolvendo o nosso município como nunca foi visto. 

Em 2016 vou votar nele e trabalhar para ele de graça na campanha dele. 

Ele merece.

quarta-feira, julho 30, 2014

Dilma disse que o ex-presidente Lula e ela encontraram um Estado sem projetos para executar.

Robson Cunha do Nascimento - Advogado.


"PRESIDANTA", A SENHORA SE ESQUECEU QUE O PT HERDOU UM PAÍS ESTABILIZADO, COISA QUE O PRESIDENTE "FHC" NÃO RECEBEU DOS SEUS ALIADOS SARNEY E COLLOR, QUE ESTÃO APOIANDO HOJE AS PATIFARIAS DO SEU GOVERNO.

Dilma diz que PT herdou 'situação ruim' e prevê 'novo ciclo' no País
Presidente concorda que País precisa de mudança em setores como a infraestrutura, mas sai em defesa de sua política econômica e critica pessimistas.


Brasília - A presidente Dilma Rousseff, afirmou na sabatina na Confederação Nacional da Indústria (CNI) realizada na tarde desta quarta-feira, 30, que governo petista herdou um quadro ruim na capacidade do Estado de planejar ações na área de infraestrutura.

"Nós somos herdeiros de uma situação ruim do ponto de vista público e privado", disse. 

Durante todo seu discurso, a presidente também voltou a criticar o "pessimismo" de alguns anilistas e chegou a fazer um apelo para que os empresários não se deixem envolver por "profecias pessimistas".

Dilma disse que o ex-presidente Lula e ela encontraram um Estado sem projetos para executar. 


"O Brasil não tinha projeto executivo e básico, não tinha carteira de projetos." 

Segundo ela, a situação atual da economia permitirá ao Brasil entrar em um "novo ciclo". "Criamos as bases", complementou.
 


A petista foi a terceira entrevistada da série de encontros realizada pela CNI para ouvir as propostas econômicas dos principais candidatos à Presidência. 

Na manhã e no início da tarde participaram o candidato do PSB, Eduardo Campos, e o candidato do PSDB, Aécio Neves.

Dilma voltou a rebater o que ela define como "profecias pessimistas" e lembrou as previsões negativas feitas sobre a realização da Copa do Mundo no Brasil e sobre uma suposta crise no setor elétrico. 


"Expectativas pessimistas bloqueiam as realizações", disse.

Segundo a presidente, o País conta atualmente com uma situação macroeconômica melhor. 


Referindo-se ao período em que o Brasil foi governado por Fernando Henrique Cardoso, Dilma disse que as reservas cambiais do País cresceram dez vezes desde então.
Crise econômica. 


Em sua fala, a candidata à reeleição destilou uma série de ações e dados e, em tom provocativo, questionou os presentes como estaria a economia se o governo não tivesse tomado as decisões após a crise econômica mundial de 2008: "Como seria se não tivéssemos adotado as medidas anticíclicas? 

Em que situação estaria a nossa indústria?"

A presidente afirmou que a desoneração da folha de pagamento para 56 setores produtivos, a mudança na tributação de bens de capital, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) do automóvel e da linha branca e a mudança no Simples Nacional são a "verdadeira reforma tributária" - iniciativa que os antecessores dela na sabatina, Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB), disseram que vão realizar logo no início do futuro mandato, caso eleitos.


"Trata-se de uma verdadeira reforma tributária para esse seguimento empresarial majoritário no País", afirmou.
Concessões. 


Questionada sobre os problemas na infraestrutura,Dilma também afirmou que não está "feliz" com a forma como os investimentos na área têm sido feitos nos últimos anos. 

Apesar da autocrítica, a presidente ressaltou que o governo petista retomou os aportes em infraestrutura que não existiam antes. 

"É preciso avançar ainda mais. 

Mesmo considerando que fomos o governo que mais investiu em concessão", afirmou.

Dilma citou como exemplo o setor de rodovias, que realizou leilões de concessão para ampliar estradas. 


Segundo ela, as empresas agora são obrigadas a investir em até cinco anos e esta seria a principal diferença do modelo adotado pelo PT. "Não se fazia concessão para investir. 

Fazia-se para manter (rodovias antigas). 

O modelo era esse", disse.

Por fim, a presidente comentou o cenário dos direitos trabalhistas e saiu em defesa do diálogo.



"Queremos construir um marco regulatório do trabalho compatível com a economia do século 21. 

Deve estar, sim, estruturado em torno da negociação coletiva", afirmou.

Ela também defendeu a terceirização, mas não deixou de mencionar a importância dos direitos dos trabalhadores. 

"Temos que simplificar as relações trabalhistas, mas tem algumas garantias que a Lei Trabalhista deu no Brasil que eu não acredito que nenhum setor tem as condições de rasgar, como 13º e horas extras.

Colaboração de Robson Cunha Do Nascimento - Advogado - Funcionário Público.

#LançamentoCampanhaGesmar

Parauapebas recebe novos investigadores e ecrivã





A partir desta semana, a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas vai receber quatro novos delegados, sendo um para a Delegacia da Mulher e outros três para a Delegacia Municipal; cinco investigadores e uma escrivã. 

Nesta segunda-feira (21), já se encontravam na cidade o delegado André Tavares Amorim, 34 anos, natural de Goiânia (GO), e a delegada Raissa Maria Soares, natural de São Paulo (SP), além da escrivã Micheline Diniz Barreto e investigadores. 

Em conversa com o delegado Thiago Carneiro, a reportagem foi informada que os novos delegados, investigadores e escrivã estariam sendo recebidos pelo delegado Rodrigo Paggi, diretor da 20ª Seccional Urbana, para deliberar sobre o trabalho a ser desenvolvido com os novos concursados. 

Delegados André Amorim e Raissa Soares (foto) disseram à reportagem que estavam chegando à cidade para prestar importante serviço de combate à violência em defesa da população de Parauapebas. 

(Black Candle/Waldyr Silva)fazer site



Fonte: Blog do Waldir Silva.


Veja o que pode e o que não pode durante a campanha eleitoral

Candidato que distribuir brindes pode responder por crime eleitoral.

Eleitor pode se manifestar sobre política na web, desde que se identifique.



Do G1, em Brasília
A campanha política começou oficialmente dia 6 de julho. 

O primeiro turno será no dia 5 de outubro e, caso haja segundo turno, no dia 26 de outubro. 

Saiba abaixo o que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) permite durante este período e o que é proibido para os candidatos e para os eleitores.

Alto-falante

Até a véspera do dia da eleição, entre 8h e 22h, alto-falantes e amplificadores de som são permitidos. 

Porém, não devem ser instalados a menos de 200 metros das sedes dos Poderes Executivo e Legislativo. 

O som também não é permitido perto de tribunais de Justiça, quartéis, hospitais, casas de saúde, escolas, bibliotecas públicas, igrejas e teatros, em horário de funcionamento dos estabelecimentos.

Brindes

É proibido fabricar e distribuir camisetas, chaveiros, bonés, canetas e demais brindes, com o nome do candidato. Distribuir cesta básica também é crime eleitoral. 

De acordo com o TSE, os bens podem proporcionar vantagem ao eleitor. 

O responsável pode responder por captação ilícita de votos e abuso de poder.

Cargos públicos.

Até depois da eleição, é proibido nomear ou demitir funcionários comissionados. 

Também é proibida a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até o dia 5 de julho.

Carreatas

Até as 22h do dia que antecede as eleições, carreatas, passeatas e caminhadas são permitidas pelo TSE. 

Também é permitido distribuir material gráfico pelas cidades. 

O carro de som, que circule divulgando jingles e mensagens de candidatos, é autorizado. 

No entanto, o TSE proíbe usar os microfones do evento a fim de transformar o ato em comício.

Comícios e shows.

Comícios são autorizados das 8h à 0h até 2 de outubro, para o primeiro turno, e até 23 de outubro para o segundo turno. 

Também pode ser utilizada aparelhagem de sonorização fixa e trio elétrico, desde que permaneça parado durante o evento, servindo como suporte para divulgação de jingles e mensagens de candidatos. 

O que não pode é a realização de shows, remunerados ou não, de artistas com a finalidade de animação. 

A licença da polícia não é necessária para a organização do evento. 

Mas as autoridades policiais devem ser comunicadas em, no mínimo, 24 horas antes da realização do comício.

Cartazes

Devem ser instalados apenas em bens particulares observado o limite máximo de 4m². 

Não podem ser colocados em troca de dinheiro ou de qualquer tipo de pagamento pelo espaço utilizado. 

A propaganda deve ser feita espontânea e gratuitamente. 

Não é permitida a colocação de diversas placas se a dimensão total da propaganda extrapolar 4m². 

Outdoors são proibidos, independentemente do local. 

A empresa responsável, o partido, as coligações e os candidatos podem ser multados por isso.

Cavalete.

São permitidos cartazes móveis, cavaletes, bandeiras ao longo das vias públicas, desde que não dificultem o bom andamento do trânsito de pessoas e veículos. 

Mas devem ser colocados e retirados diariamente, entre 6h e 22h. 

Não é permitido colocar propaganda em postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e árvores.

Folhetos

São autorizados até as 22h do dia que antecede as eleições e não depende de licença municipal ou de autorização da Justiça Eleitoral. 

Todo material impresso de campanha deve conter também o número de inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do responsável pela confecção e da contratação do produto, além da tiragem.

Inaugurações

Nenhum candidato pode comparecer a inaugurações públicas a partir de 5 de julho. 

Nesse tipo de evento, o TSE também proíbe shows artísticos pagos com dinheiro público.

Internet

O internauta tem direito de se manifestar na rede mundial, desde que se identifique. 

Caso ele mantenha o anonimato, poderá ser multado em até R$ 30 mil. Também é permitida propaganda eleitoral por meio de blogs, redes sociais e mensagens instantâneas. 

Propagandas por e-mail devem conter uma forma do internauta deixar de receber aquele conteúdo. 

No entanto, não é permitida nenhuma forma de propaganda eleitoral paga. 

O TSE também veta propaganda em sites de empresas ou em sites hospedados por entidades ou órgãos públicos.

Propaganda política
Dois dias antes e um dia após a eleição, o TSE veda qualquer propaganda política no rádio ou na televisão. 

Isso inclui rádios comunitárias e televisão por assinatura. 

Já na internet — nos sites e blogs do candidato ou partido — a propaganda política gratuita está liberada nesse período. 

Até a antevéspera das eleições, propagandas em jornais e revistas são permitidas. 

No anúncio, deve constar o valor pago pela inserção. 

A propaganda via telemarketing é proibida em qualquer horário.
No dia da eleição.

No dia da votação, a realização de carreatas ou comícios, o uso de alto-falantes e amplificadores de som são considerados crime, com punição que pode variar de seis meses a um ano de detenção. 

O eleitor pode manifestar opinião política com uso de broches, bandeiras e adesivos de forma silenciosa e individual. 

A partir do momento em que ele se junta a mais pessoas, a Justiça eleitoral entende como manifestação coletiva, atitude proibida. 

Os santinhos (folhetos com nome e número do candidato) não podem ser distribuídos. 

A "cola" eleitoral, quando o eleitor anota os números dos candidatos para levar à urna, é autorizada.

terça-feira, julho 29, 2014

VENDE-SE ESTE IMÓVEL URGENTE


























ESTE IMÓVEL FICA NA RUA DO COMÉRCIO, PRÓXIMO A RUA RIO DE JANEIRO NO BAIRRO RIO VERDE.

APESAR DO MESMO ESTÁ COM A PLACA DA SIGLA DE UM PARTIDO POLÍTICO, ESTÁ DESOCUPADO E À VENDA. 

OS INTERESSADOS PODEM ENTRAR EM CONTATO PELOS TELEFONES QUE CONSTAM NA PLACA DA IMOBILIÁRIA.

29 de julho de 2014.

Valter Desiderio Barreto.

Povos indígenas protegem florestas e clima, diz estudo


Vanessa Barbosa

  

Exame.com - 28/07/2014

Existem pelo menos 513 milhões de hectares de florestas comunitárias, reconhecidas legalmente em todo o mundo. 

Esses terrenos, mantidos coletivamente por populações rurais ou indígenas, revelam-se aliados na luta pelapreservação ambiental e no combate às mudanças climáticas.

Isso porque essas áreas armazenam cerca de 37 bilhões de toneladas de carbono — 29 vezes a pegada de carbono anual de todos os veículos de passageiros do mundo. 

É o que mostra um novo relatório do World Resources Institute (WRI), em parceria com o Rights and Resources Initiative (RRI).

Fortalecer os direitos das comunidades florestais e expandir suas áreas é, segundo o estudo, uma oportunidade para os governos cumprirem suas metas climáticas ao mesmo tempo em que protegem o meio ambiente.

Desmatamento e outras alterações de uso da terra produzem cerca de 11% dasemissões de gases de efeito estufa no mundo.

A falta de direitos legalmente reconhecidos deixa as comunidades vulneráveis à perda de suas terras para criadores de gado, madeireiros ilegais, ou empresas - e deixa as florestas vulneráveis ao corte ilegal, avalia a pesquisa.

"Comunidades têm interesse na gestão sustentável de suas florestas, uma vez que dependem delas para alimentação, medicamentos, materiais de construção, produtos para vender, e outros serviços. 

É por isso que as taxas de desmatamento em florestas comunitárias são muito mais baixas do que em florestas geridas por outras entidades", afirmam os autores.

De acordo o relatório, o desmatamento de florestas no Brasil provavelmente teria sido 22 vezes mais elevado sem o reconhecimento legal das comunidades indígenas.

Por aqui, o desmatamento em terras indígenas chega a ser 11 vezes menor do que em outras áreas, enquanto que na Guatemala, o desmatamento terras indígenas e comunidades tradiconais é até 20 vezes menor.

Ao lado de México e Bolívia, Brasil e Guatemala são reconhecidos na pesquisa como países que garantem direitos florestais fortes, com áreas significativas de florestas comunitárias legalmente reconhecidas.

No entanto, em outros países latino-americanos, como a Colômbia, Equador, Honduras, Nicarágua e Peru, os direitos são mais fracos.

Segundo o estudo, essas comunidades locais prestam um serviço ambiental valioso, que deveria ser reconhecido e até mesmo recompensado financeiramente por ajudar a manter a floresta de pé e evitar emissões.

Seria uma proposta parecida com o programa REDD+, mecanismo que busca reconhecer a contribuição das florestas em mitigar mudanças climáticas através do sequestro de carbono.

O estudo busca influenciar as discussões na COP 20, que ocorre em Dezembro, em Lima, no Peru. 

Na ocasião, estará em pauta a contribuição que cada país dará para reduzir consideravelmente suas emissões de carbono, antes de um compromisso definitivo a ser adotado, em Paris, em 2015.

As Nações Unidas querem limitar o aquecimento global a 2ºC com base nos níveis pré-industriais, mas cientistas dizem que as tendências de emissões atuais podem fazer as temperaturas subir para mais que o dobro deste nível até o fim do século.

Gesmar inaugura comitê central com recorde de público

 
Cerca de duas mil pessoas participaram do evento de lançamento da candidatura de Gesmar Rosa a deputado estadual. 

O ex-gestor do SAAEP inaugurou o comitê central da campanha com a participação de lideranças políticas de 22 municípios do Estado, além de candidatos a deputado federal, do atual vice-governador e candidato a senador, Helenilson Pontes, e do Prefeito Valmir Mariano.

“Começamos bem. 

Fico muito feliz em ver o apoio de todas essas pessoas à nossa candidatura. 

Significa que acreditam de verdade que temos o melhor projeto para o município e para a região”, disse Gesmar, que recebeu o apoio declarado do prefeito de Parauapebas, Valmir Mariano.

Em seu discurso, Valmir não deixou dúvidas: “estou apostando todas as minhas fichas no Gesmar, ele é o meu candidato, fez um excelente trabalho no SAAEP e vai ser um grande deputado. 

Com o Gesmar na Assembleia vamos ter ainda mais força para continuar implementando as mudanças que Parauapebas precisa”, disse.

Helenilson Pontes falou sobre representatividade e força política. 

“O sul e o sudeste do Estado precisam de um representante e Gesmar será esse deputado para lutar por vocês. 

E eu estarei no Senado, trabalhando pelas grandes causas do Pará”, garantiu. 

Entre os candidatos presentes, Célia da Integral e Dr. Zé Roberto também declararam apoio a Gesmar.

Outras lideranças do Estado, como o ex-prefeito de Itupiranga e presidente da Associação de Ex-Prefeitos do Estado do Pará, Adécimo Gomes, e o Presidente da Comissão pela Criação de Novos Municípios do Pará, Miguel Costa, também confirmaram apoio à candidatura.

Após os discursos, um ato simbólico oficializou a inauguração do comitê central, que fica na Rua Rio Azul, S/N, Bairro Beira Rio.


Fonte: gesmaroficial@gmail.com