Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

sexta-feira, outubro 31, 2014

Mulher recorre à Justiça para ter duas mães na certidão de nascimento


Mulher, que mora em Campo Grande, diz que foi criada por duas mulheres.
Recurso foi julgado pelo Superior Tribunal de Justiça neste mês de outubro.

 

Tatiane Queiroz Do G1 MS
 
Mulher quer ter duas mães em MS (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)Lucyana olha fotografias da infância (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)


A vendedora Lucyana Gutierrez, de 40 anos, recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para conseguir o direito de colocar os nomes das duas mulheres que considera como mães em seu registro de nascimento. 

“Parece estranho, mas é assim que fui criada, por duas mães adotivas”, disse Lucyana ao G1.

O recurso especial protocolado pela defesa da vendedora foi julgado pela 3ª Turma. 

A decisão foi divulgada nessa quarta-feira (29) no site do órgão. 

O colegiado seguiu o entendimento do relator, o ministro Marco Aurélio Bellizze, e determinou o retorno do processo à primeira instância para ser julgado novamente

Segundo a decisão, Lucyana não teve chance de apresentar todas as provas sobre a convivência dela com as duas mães.

Lucyana conta ao G1 que foi deixada pelos pais biológicos na porta de uma distribuidora de bebidas, em Rondonópolis (MT), quando ainda era um bebê. 

Segundo a vendedora, ela foi adotada por uma das duas proprietárias da empresa. 

“Na época, não era permitido colocar os nomes de duas mulheres no registro de nascimento, por isso, apenas uma delas me registrou”, explicou.

No entanto, a vendedora conta que foi criada pelas duas mulheres

Segundo informações divulgadas pelo STJ, as empresárias tinham uma “relação homoafetiva”.

Lucyana prefere não dar informações sobre a relação entre as mulheres.

Quando a vendedora tinha 5 anos, as duas mulheres venderam a distribuidora de bebidas e mudaram-se para Campo Grande. 

Ela conta que morou com as duas mulheres até os 7 anos, quando uma delas casou-se e mudou-se para outra casa com o marido.
 
Parece estranho, mas é assim que fui criada, por duas mães adotivas"
Lucyana Gutierrez
“Mesmo em casas separadas, nós três sempre permanecemos muito próximas. 

Morávamos na mesma rua, na mesma quadra. 

O vínculo entre nós sempre foi o mesmo. 

Tinha quarto nas duas casas, vivia nas duas casas, sempre foi assim”, relata.

A mulher que registrou Lucyana, primeira mãe, morreu quando ela completou 16 anos. 

“Depois que ela faleceu, fui morar com a minha outra mãe e com o marido dela”. 

Ela relata que morou com o casal até os 18 anos.

A segunda mãe dela faleceu em 2007. 

Segundo informações do STJ, após a morte da mulher, a vendedora teria sido abandonada pelo “pai adotivo”. 

O motivo teria sido financeiro. No processo, ela alega que o homem não quer que ela participe da partilha de bens da família.

A vendedora também recorreu a Justiça de Mato Grosso do Sul para ser reconhecida como filha pelo pai adotivo. 

“Acho que mãe ou pai não é apenas aquele que coloca a gente no mundo. 

Tenho duas mães e um pai e não vou abrir mão disso. 

Não vou jogar o meu passado no lixo”.
Mulher quer ter duas mães em MS (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS) 
Vendedora aguarda novo julgamento
(Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)
Processo

Em primeira instância, o pedido de reconhecimento de dupla maternidade protocolado por Lucyana foi negado. 


A Justiça de Mato Grosso do Sul considerou que o reconhecimento da maternidade socioafetiva (por adoção) seria possível somente em caso de abandono por parte da mãe que registrou, fosse ela biológica ou adotiva.

Segundo informações do processo divulgadas pelo STJ, para o órgão estadual não ficou comprovada a relação homoafetiva entre as duas mulheres.

Dupla maternidade
A legislação brasileira não impede que uma criança seja registrada por duas pessoas do mesmo sexo, independentemente de terem ou não uma relação homoafetiva.


A presidente da Comissão da Mulher Advogada, que pertence à Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Mara de Azambuja Salles, explica que a Lei de Registros Públicos permite que as pessoas façam modificações de informações em seus documentos.

“Há precedentes para isso. 

A família da sociedade contemporânea é diferente da família da sociedade antiga. 

O Direito acompanha essas mudanças”, comenta a advogada.
Ainda segundo Mara, para que os documentos sejam modificados é preciso uma justificativa, além de um acordo entre as partes. “Hoje uma pessoa pode ter no registro de nascimento um pai e uma mãe, duas mães, dois pais, ou até mesmo duas mães e um pai, ou dois pais e uma mãe”, explica.

Como exemplo, a advogada cita casos em que há doação de óvulos ou doação de esperma para a realização de inseminações artificiais, ou de relações homoafetivas, ou ainda adoção.

Família de quadrigêmeas tem barraco roubado e fica sem moradia em MS


Doações, parede e telha foram levadas de barraco de madeira, diz família.
Mãe descobriu gravidez de quadrigêmeas durante parto normal em agosto.

 

Gabriela Pavão Do G1 MS
Odair e Denir passam o dia com as filhas na maternidade Cândido Mariano (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)Odair e Denir ficam com as filhas na maternidade Cândido Mariano (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)
 
 
Denir Campos e Odair Cândido, pais das quadrigêmeas indígenas Eliza, Elizabete, Elizângela e Elizete, não têm para onde levá-las quando saírem da maternidade Cândido Mariano, em Campo Grande

O barraco onde a família vivia em Anastácio, a 128 km da capital sul-mato-grossense, foi roubado três vezes durante o tempo em que os pais estão acompanhando as recém-nascidas no hospital.
Casal tem outras quatro meninas (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS) 
Casal tem outras quatro meninas (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)
 
 
"Da última vez, levaram os mantimentos, doações de compra e de roupa, a madeira da parede e até uma folha de telha amianto do barraco. 

É triste saber que o pouco que a gente tinha foi levado", contou Odair ao G1.

Ele diz estar preocupado com o destino da família depois que as quadrigêmeas tiverem alta do hospital, mas afirma que vai reconstruir tudo de novo.

"Começamos a ficar desesperados, porque logo elas vão ter alta e nem temos onde morar. 

Mas, se não tiver outra solução até lá, vamos voltar e construir de novo. 

Vou ter que trabalhar na cidade para ganhar dinheiro e ainda ajudar a cuidar das bebês", ressaltou Odair, que antes trabalhava de diarista em uma fazenda.

Denir, mãe das meninas, foi surpreendida pela gravidez das quatro bebês durante o parto normal, já que o exame de ultrassom feito na gestão apontava gêmeos.

Ela também está apreensiva com a falta de moradia e de espaço para acomodar as novas integrantes da família com as outras quatro filhas do casal. 

"Preocupado a gente está, mas uma coisa de cada vez. 

Primeiro vamos cuidar para elas terem alta do hospital", explicou.

As meninas completaram dois meses de vida na última terça-feira (28) e devem ter alta em duas semanas, segundo a equipe médica.

Elas estão juntas no setor do Projeto Canguru, na maternidade Cândido Mariano, onde três delas ainda precisam ganhar peso para atingir 2 quilos.

Univitelinas, as quadrigêmeas nasceram de 31 semanas, em um intervalo de 10 minutos entre elas, com pesos entre 890 gramas e 1,170 quilo. 

Logo depois do parto, as bebês foram levadas para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, onde permaneceram por cerca de um mês. 

Depois foram transferidas para uma Unidade Intermediária (UI) e, em seguida, tiveram alta para ir para o quarto.
Casa de madeira e lona, onde mora família (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS) 
Casa de madeira e lona, onde mora família (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)
 
Oito filhas

O casal tem outras quatro filhas, de 4, 7, 10 e 12 anos, que moram em Anastácio


As meninas  estão na fazenda com uma tia. 

A família mora em um barraco de dois cômodos, às margens da BR-262.

A renda da família depende do serviço de Odair, que é diarista em uma fazenda, já que Denir é dona de casa e não trabalha. 

Denir é mãe também de dois rapazes, de 18 e 19 anos, e uma menina de 22 anos, que não moram mais com ela.

Ajuda e doações

Por conta da condição financeira e social, a família das quadrigêmeas precisa de doações para as recém-nascidas, porque prepararam enxoval para gestação de gêmeas, apontada pelo único exame de ultrassom feito durante a gestação.


Por isso, uma campanha para recebimento de doações foi criada pela maternidade Cândido Mariano. A unidade informa que podem ser doadas fraldas. 

Roupas para meninas também serão aceitas. 

As doações podem ser feitas diretamente no hospital, localizado na rua Marechal Rondon, 2.644, Centro de Campo Grande.

Quadrigêmeas indígenas estão juntas em quarto de maternidade em MS (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)Quadrigêmeas indígenas estão juntas em quarto de maternidade em MS (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)

quinta-feira, outubro 30, 2014

Quadrigêmeas indígenas estão juntas em quarto de maternidade em MS

Meninas devem ter alta médica quando atingirem peso de 2 kg cada uma.
Mãe descobriu gravidez de quadrigêmeas durante parto normal em agosto.

 

Do G1 MS com informações da TV Morena
 
Quadrigêmeas indígenas estão juntas em quarto de maternidade em MS (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)Quadrigêmeas indígenas estão juntas em quarto de maternidade em MS (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)
 
 
As quadrigêmeas da indígena Denir Campos, que descobriu a gravidez de quatro bebês durante o parto normal em agosto, estão juntas no mesmo quarto da maternidade Cândido Mariano, em Campo Grande. 

Há uma semana, Elizabete, que estava no Hospital Regional, foi transferida para a maternidade, onde já estavam Eliza, Elizete e Elizângela.

As bebês estão no setor do Projeto Canguru, onde três delas ainda precisam ganhar peso para atingir 2 quilos. 

Elizabete está com 2,070 kg, Elizângela e Elizete pesam 1,7 kg e Eliza tem 1,4 kg. 

Segundo a equipe médica, elas estão saudáveis, não correm riscos e devem ter alta daqui duas semanas.
Quadrigêmeas indígenas estão juntas em quarto de maternidade em MS (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena) 
Pais de quadrigêmeas ajudam a cuidar das bebês (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)
 
 
Enquanto isso, Denir e o pai das meninas, Odair Cândido, moram na maternidade e passam o dia cuidando das filhas. 

"Estou muito feliz de estar perto das minhas filhas. 

Não tem coisas melhor do que isso", afirmou Odair.

Denir disse que contou os dias para chegar o momento de ficar mais perto das bebês. 

"Faz dia que eu queria ficar junto delas. 

Me sinto feliz, né?", relatou.

Univitelinas, as quadrigêmeas nasceram no dia 28 de agosto, de 31 semanas, em um intervalo de 10 minutos entre elas, com pesos entre 890 gramas e 1,170 quilo.

Logo depois do parto, as bebês foram levadas para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, onde permaneceram por cerca de um mês.

Depois foram transferidas para uma Unidade Intermediária (UI) e, em seguida, tiveram alta para ir para o quarto. 

Por conta da prematuridade, elas tiveram que passar por uma laserterapia nos olhos, para corrigir uma retinopatia e já enxergam normalmente.

Segundo a pediatra responsável pelas bebês, Camila Amaral Gonçalves, as meninas tem desenviolvimento neurológico normal. 

"Hoje elas têm um desenvolvimento neurológico normal, mas a gente precisa que isso seja acompanhadao para garantir que no futuro sejam crianças que andem, caminhem, se desenvolvam e raciocinem", explicou.

Diariamente, as meninas fazem fisioterapia para estimular o desenvolvimento da musculatura. 

Elas também tomam cinco tipos de vitaminas em dosagens e horários diferentes.

Os medicamentos são fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas o leita não. 

Por dia, elas usam uma lata de leite de 800 gramas de uma fórmula especial.

Cada lata custa em média R$ 60. 

No setor do projeto, cada bebê tem a sua planilha com cor diferente, para evitar a confusão. 

Além de Denir o pai das meninas, Odair Cândido, também ajuda a cuidar das meninas.
Casa de madeira e lona, onde mora família (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS) 
Casa de madeira e lona, onde mora família (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)
 
Oito filhas

O casal tem outras quatro filhas, de 4, 7, 10 e 12 anos, que moram em Anastácio. 


As meninas  estão na fazenda com uma tia. 

A família mora em um barraco de dois cômodos, às margens da BR-262.

A renda da família depende do serviço de Odair, que é diarista em uma fazenda, já que Denir é dona de casa e não trabalha. 

Denir é mãe também de dois rapazes, de 18 e 19 anos, e uma menina de 22 anos, que não moram mais com ela.

Ajuda e doações

Por conta da condição financeira e social, a família das quadrigêmeas precisa de doações para as recém-nascidas, porque prepararam enxoval para gestação de gêmeas, apontada pelo único exame de ultrassom feito durante a gestação.


Por isso, uma campanha para recebimento de doações foi criada pela maternidade Cândido Mariano. 

A unidade informa que podem ser doadas fraldas. 

Roupas para meninas também serão aceitas. 

As doações podem ser feitas diretamente no hospital, localizado na rua Marechal Rondon, 2.644, Centro de Campo Grande.

Doações também podem ser feitas através de depósitos em dinheiro na conta poupança aberta por Odair. 

O número da agência é 4555 e da conta poupança é 0001958-6, na Caixa Econômica Federal, variação 13.
Odair e Denir passam o dia com as filhas na maternidade Cândido Mariano (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)Odair e Denir ficam com as filhas na maternidade Cândido Mariano (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)

Organizador de ‘rolezinho’ é morto por amigo na Zona Leste de SP


Garoto de 16 anos foi atingido por tiro na cabeça na segunda (26).
Leonardo Alvarenga era famoso pelos encontros que ajudava a promover.

 

Lívia Machado Do G1 São Paulo

Leonardo era famoso por organizar 'rolezinhos' na Zona Leste da cidade  (Foto: Reprodução Facebook)Leonardo era famoso por organizar 'rolezinhos' na Zona Leste da cidade (Foto: Reprodução Facebook)
 
 
Conhecido por ajudar a promover ‘rolezinhos’, encontros organizados pelas redes sociais, principalmente, em shoppings da capital paulista e da Grande São Paulo, Leonardo Henrique Soares Alvarenga, de 16 anos, foi morto na madrugada desta segunda-feira (27), no Parque Guarani, na Zona Leste da cidade.

Segundo a polícia, o garoto foi atingido por um tiro na cabeça, disparado pelo funileiro Leonardo Pereira de Almeida, de 18 anos, amigo de Alvarenga. 

Os dois voltavam de uma festa acompanhados de outras quatro pessoas, todas de 17 anos, no carro de Almeida.

À polícia, o grupo disse inicialmente que foi abordado por dois motoqueiros que anunciaram o assalto e atiraram no menino. 

Após perícia no veículo, porém, foi constatado que o disparo tinha partido de dentro do automóvel.

Os cinco adolescentes foram novamente ouvidos e revelaram que Almeida tinha atirado no amigo ao "brincar" com uma arma emprestada.

O revólver calibre 38 pertencia a Robson dos Santos Lopes, de 30 anos, que foi preso em flagrante por porte ilegal de arma. 

De acordo com testemunhas, Lopes é traficante na região e amigo apenas de Almeida. 

O caso foi registrado no 32° Distrito Policial, em Itaquera, e os dois suspeitos de envolvimento estão detidos.

Duas postagens no Facebook em que o garoto revela o sonho de ser famoso e diz ser fã de MC Daleste (Foto: Reprodução Facebook) 
Duas postagens no Facebook em que o garoto revela o sonho de ser famoso e diz ser fã de
MC Daleste (Foto: Reprodução Facebook)
 
 
Popularidade

Ao G1, amigos de Leonardo Alvarenga revelaram que a família do menino está revoltada com primeira versão contada pelos colegas do garoto. 


Os parentes acreditam que o crime tenha sido premeditado, e alegam que ele foi morto por “inveja”.

Darlan Mendes, também responsável por promover rolezinhos pela internet, conheceu Alvarenga há três meses. 

Leonardo queria fazer parte da "Associação Rolezinho: a Voz do Brasil", uma das organizações criadas após a polêmica dos encontros, da qual Darlan era membro. 

“Ele já era considerado um famosinho, tinha curtidas, fazia sucesso nas redes sociais. 

Ele veio me pedir para ajudar, para organizar”, conta.

Embora fossem amigos há poucos meses, Mendes diz que Alvarenga era um menino tranquilo e bastante empenhado nos eventos. 

Juntos, eles realizaram o 'rolezinho-manifesto' em agosto deste ano, no Shopping Itaquera, na Zona Leste.

De acordo com a associação, cerca de seis mil pessoas compareceram para reivindicar o direito de circular no centro comercial. 

Mendes afirma que os adolescentes só podem entrar no estabelecimento após passar por revista dos seguranças e acompanhados por um responsável. 

Muitos já foram barrados por conta dos antigos episódios de tumulto e violência que ocorreram no início do ano.

“Os rolezinhos que estamos fazendo oficialmente, e estamos na décima edição, nunca tiveram atos de violência, tumulto, roubos. 

Conseguimos conscientizar os jovens com essa ação”, defende Darlan Mendes.

Ele também relata que o colega andava sempre bem vestido, com roupas e tênis de marcas conhecidas. 

Fã de MC Daleste, funkeiro assassinado durante um show em Campinas em julho de 2013, Leonardo Henrique Alvarenga sonhava em ser famoso.

Em sua página no Facebook, há diversos posts em que o garoto afirma que um dia será conhecido. Os amigos acreditam que ele tinha vontade de ser MC.

"Roleta russa"

Uma das testemunhas do crime comenta que o menino era bastante assediado pelo público feminino e, constantemente “provocado” por outros garotos. 


“Ele era tranquilo, não saia na intenção de brigar, mas sempre arrumavam briga com ele. 

Era famoso no Facebook, um menino de olhos claros, bonito, com bastante menina", explica.

A jovem diz que era amiga de Leonardo Alvarenga, e de outras duas meninas que estavam no carro. 

Ela revela que conheceu Almeida naquela noite, durante a festa. 

Ainda conforme a testemunha, eles deixaram o baile por volta das 2h30 da segunda-feira, e foram para a casa de Alvarenga.

Em um dado momento, uma das jovens teria pedido para ir embora. 

Almeida teria combinado de levá-la para casa, mas antes teria que abastecer o carro. 

O grupo todo foi junto. 

No meio do caminho, o rapaz entrou em um rua escura, deserta, conhecida como ponto de tráfico na região, próxima à Avenida Jacu-Pêssego.

Na biqueira, o funileiro encontrou o amigo que portava a arma. 

“Todo mundo ficou com medo, assustado, mas ele estava emocionado em ver o revólver. 

Ninguém sabia que ele iria parar ali. 

O Leo pedia para a gente sair de lá, e dizia que esse cara não gostava dele.”

A adolescente ainda afirma que o dono da arma teria descarregado o revólver e simulado o disparo contra a própria cabeça, antes de emprestá-la. 

“O Leonardo Almeida pegou a arma, mirou para o nosso amigo, e perguntou se ele estava assustado. 

O Leo estava com cara de medo. 

De repente, vi um clarão na minha cara. 

Depois, olhei e vi que o Leo estava com um buraco na cabeça e o sangue escorrendo. Gritei e pedi para ele correr para o Pronto-Socorro, rápido.”

Alvarenga foi levado pelos próprios colegas para o Hospital Santa Marcelina de Itaquera. 

Ele foi socorrido, mas morreu um dia depois de ser baleado. 

De acordo com a jovem, ela e as demais testemunhas foram ameaçadas pelo atirador para não contarem a ninguém o que tinha ocorrido. 

“Ele falava: ‘Essa história não vai sair do carro, porque se sair vai todo mundo ser preso ou subir (gíria que significa morrer)'.

A menina soube que Alvarenga foi enterrado nesta quarta-feira (29). 

Ela não conseguiu ir à cerimônia porque a família do menino rechaçou a presença do grupo envolvido na morte. 

“Eu estou com muito medo das ameaças, não posso sair na rua. 

Medo pelos familiares virem na minha casa. 

Fiquei traumatizada, estou tendo pesadelo. 

Nós mentimos por medo.”

A associação dos rolezinhos pretende fazer homenagens ao garoto nos dias 1° e 8 de novembro, quando realizarão dois encontros na Zona Leste. "Esses dias serão dedicados ao Leonardo, que sempre nos ajudou", afirma Darlan Mendes.

Valmir Queiroz Mariano e Gesmar Costa se consagram como os maiores líderes políticos em Parauapebas nas eleições de 2014



Vocês são vitoriosos !


Que me perdoem os famosos "cientistas políticos" de Parauapebas que mais uma vez amargaram uma grande derrota em suas previsões políticas sobre os resultados das eleições gerais deste ano de 2014, favorecendo seus candidatos preferidos  aos cargos de deputado estadual e federal, que se quer, "chutaram a bola na trave".

Os resultados dessas eleições gerais recém concluídas, só veio consolidar a força e a liderança política dos dois maiores personagens da política partidária de Parauapebas como os maiores articuladores políticos e vencedores nas adversidades do mundo político, que são: VALMIR QUEIROZ MARIANO, prefeito de Parauapebas, e GESMAR COSTA, Vice-presidente do PSD. 

Ambos já têm muitas histórias para contarem em suas trajetórias políticas. 

Primeiro foi o desafio que ambos tiveram que enfrentar para instalar o Diretório Municipal do PSD em Parauapebas em 2012 em tempo recorde de 100 horas, quando o então empresário Valmir da Integral recebera das mãos do governador Simão Jatene em seu gabinete em Belém, a mais nova sigla política no Pará, importada de São Paulo pelo fundador da mesma Gilberto Kassab, e entrando em contato com o Gesmar por telefone, consulta-lhe a possibilidade da organização da sigla partidária PSD no município, no espaço de tempo bastante exíguo, recebendo resposta positiva do grande vencedor de desafios Gesmar Costa, Valmir da Integral lhe envia a relação de toda documentação necessária para a instalação da Comissão Provisória do partido, e fichas para filiado via fax,  antes que encerrasse o prazo para a legalização da agremiação partidária no TRE de Belém. 

O segundo desafio a vencer, era o mais novo partido político de Parauapebas lançar um candidato a prefeito capaz de derrotar os quatro postulante ao cargo de executivo municipal sem nenhum recurso financeiro, já que o partido ainda era desconhecido e  ainda não gozava de uma certa credibilidade diante da comunidade parauapebense. 

Mas esses dois fatores não foram suficiente para impedir o tirocínio dos dois valentes guerreiros Valmir Queiroz e Gesmar Costa, que não se dobram aos desafios e as dificuldades, e confiando no projeto do PSD eleger seu prefeito, saíram em campo com alguns poucos militantes, membros do Diretório Municipal e simpatizantes e o resultado não precisamos falar, porque o município de Parauapebas foi feliz em escolher entre os cinco postulantes ao cargo de prefeito naquele ano de 2012, o melhor prefeito que já passou por Parauapebas nos seus 25 anos de emancipação política e administrativa, que o VALMIR QUEIROZ MARIANO, ainda faltando dois meses para completar seus dois anos de mandato, já realizou no município obras e ações, superiores realizadas pelos seus quatro antecessores, principalmente a solução do problema da falta de água nas torneiras dos munícipes que na pessoa do então gestor da autarquia SAAEP, GESMAR COSTA, foi resolvido mais de 80% da oferta de água tratada durante 24 horas do dia. 

Como Parauapebas nunca teve representante na Assembleia Legislativa Estadual para representar a população, não só do município como região, mais uma vez, o agora prefeito Valmir Queiroz Mariano, convoca o GESMAR COSTA para um novo desafio na sua vida dentre tantos já enfrentado. 

Ser o candidato a Deputado Estadual do seu governo. 

Ato contínuo, o futuro candidato a Deputado Estadual Gesmar Costa, afasta-se do cargo de gestor do SAAEP, deixando em seu lugar o competentíssimo PAULO GALDINO, e vai para a frente do front da campanha eleitoral, rumo a conquista de uma cadeira na ALEPA, dentre as 41 reservada para os eleitos. 

Faltou pouco para essa conquista, porém, a quantidade de votos que o mesmo obteve, mais de 32 mil, o consagrou como um dos maiores fenômeno dessa nova safra de políticos partidário que está despontando em Parauapebas, deixando para trás os políticos que já foram detentores de poder tanto no Legislativo como no Executivo municipal e estadual, tornando-se primeiro suplente, que dependendo do interesse do governador reeleito SIMÃO JATENE, em ter esse guerreiro que já venceu diversos desafios em sua vida, principalmente como gestor do SAAEP, ao seu lado na Assembleia Legislativa do Pará, pode nomear um dos deputados eleito, ao cargo de secretário de estado, e o nosso amigo GESMAR toma assento em uma das cadeiras na ALEPA. 

Não sou nenhum cientista político e tão pouco tenho essa pretensão, mas esta minha análise sobre as eleições gerais deste ano de 2014, serviu de termômetro para medir a insatisfação da população parauapebense com os antigos políticos que já exerceram mandatos no município tanto no Poder Legislativo Municipal, como no Executivo, e mandou seu recado nas urnas que o tempo deles foram outros, que agora são novos tempos, tempo de mudança e tempo de se dar oportunidade a essa nova geração de políticos que estão surgindo não só no município de Parauapebas como nos demais município do estado do Pará. 

Prova disso, é que muitas "raposas velhas" da política paraense não se elegeram este ano. 

Parabéns campeões Prefeito VALMIR QUEIROZ MARIANO e GESMAR COSTA por se tornarem as duas maiores lideranças políticas do município de Parauapebas e região neste ano de 2014 ! 



Valter Desidério Barreto 

Pioneiro em Paraupebas desde 1984.