Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

quarta-feira, maio 24, 2017

PF descobre que Beira-Mar enviava ordens por bilhetes para integrantes da quadrilha

Traficante repassava papéis para cela ao lado e mulher de outro detento levava para digitação fora de presídio. Lucro mensal de criminoso chegava a R$ 1 milhão por mês.

Polícia prende parentes de Fernandinho Beira-Mar e integrantes da quadrilha do traficante
Polícia prende parentes de Fernandinho Beira-Mar e integrantes da quadrilha do traficante.
 
Através de bilhetes, o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, enviava ordens do presídio federal de Porto Velho, em Rondônia, para advogados e integrantes de sua família, segundo a Polícia Federal. 
 
Dessa forma gerenciou, pelo menos durante o último ano e meio, a diversificação de seus negócios. 
 
Agora, além do tráfico de drogas, o criminoso lucra com a exploração de serviços como a venda de botijões de gás até um percentual nas máquinas de caça-níqueis instaladas em três comunidades de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. 
 
Os lucros, de acordo com os investigadores, chegam a R$ 1 milhão por mês. 
 
 
Cinco filhos dele foram presos nesta quarta-feira (24), além de um homem considerado seu braço-direito no Ceará. 
 
A PF ainda prendeu Alessandra da Costa, irmã de Beira-Mar e apontada como sua conselheira e uma de suas advogadas. 
 
Outros dois advogados também foram presos.
 
Débora da Costa, outra irmã, moradora da Ilha do Governador, vai ser conduzida para prestar depoimento na Polícia Federal. 
 
A mulher do traficante, Jacqueline Alcântara, já presa, será transferida nesta quarta para Porto Velho, em Rondônia.
 
Os policiais cumprem 35 mandados de prisão, 27 de condução coercitiva e 86 de busca e apreensão nos estados do Rio, Rondônia, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Ceará e no Distrito Federal. 
 
As principais áreas de atuação de Fernandinho Beira-mar são três comunidades de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense: favela Beira-Mar, Parque das Missões e Parque Boavista.
Bilhetes apreendidos pela polícia durante a Operação Epístolas, que investiga a quadrilha de Fernandinho Beira Mar (Foto: PF RO/Divulgação) 
  
Bilhetes apreendidos pela polícia durante a Operação Epístolas, que investiga a quadrilha de Fernandinho Beira Mar (Foto: PF RO/Divulgação).
 
Após um ano e dois meses de investigações, a PF descobriu que o gerenciamento de Beira-mar levou sua organização a atuar como uma milícia. 
 
Os rendimentos são obtidos com a venda de botijões de gás, cesta básica, mototáxi, venda de cigarros e até com o abastecimento de água. 
 
O traficante é acusado de organização criminosa, lavagem de dinheiro e tráfico de drogas. 
 
Nas investigações, a PF descobriu que, para fazer o esquema funcionar, o criminoso contava com a colaboração de presos da penitenciária federal onde cumpre pena. 
 
Beira-Mar repassava bilhetes o vizinho de cela que entregava para a mulher durante a visita íntima. 
 
A companheira do detento Cleverson Santos levava para uma digitadora, em Porto Velho. 
 
Em troca, a mulher do preso tinha estadia e transporte pagos pela quadrilha de Fernandinho Beira-Mar. 
 
Após a digitação da ordem, a digitadora enviava por e-mail ou por mensagens de telefones celulares para integrantes da quadrilha do traficante. 
 
A cada semana, em média, um novo e-mail era criado. 
 
Assim, Beira-Mar tentou evitar o flagrante de ter algum bilhete apreendido com a sua caligrafia. 
 
Em 2010, vários bilhetes escritos pelo criminoso foram apreendidos pela polícia. 
 
Essa digitadora, que teve a prisão decretada pela Justiça, também cuidava da compra de passagens aéreas para que parentes viajassem do Rio a Porto Velho para visitar o traficante. 
 
Por semana, Beira-mar gastava R$ 20 mil em passagens aéreas.
Bilhetes apreendidos pela polícia durante a Operação Epístolas, que investiga a quadrilha de Fernandinho Beira Mar (Foto: PF RO/Divulgação) 
 
Bilhetes apreendidos pela polícia durante a Operação Epístolas, que investiga a quadrilha de Fernandinho Beira Mar (Foto: PF RO/Divulgação).
 
 
Nas investigações da PF não se encontrou nenhum indício de participação de agentes do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). 
 
Foi um grupo de agentes que encontrou em 2 de julho de 2015 um bilhete rasgado, escrito por Beira-Mar, nos fundos da marmita de refeição servida na unidade. 
 
O primeiro bilhete foi transcrito pelos policiais federais:
“Segundo o Dr. Lopes me passou, esses telefones são criptografados e funcionam como se fossem uma central e que é impossível grampeá-lo, paguei US$ 3.000,00 (três mil dólares) em cada um. 
 
Eu não acredito que sejam 100% seguros. 
 
Vocês têm que tomar muito cuidado. 
 
Para que vocês possam ficar em perfeita sintonia, um ficará com os amigos que vão morar no Paraguai, outro com os que vão morar na Bolívia, outro com o Dr. Lopes, outro com o Dr. Queiros, que vai ficar responsável por levar esse aparelho ao Dr. Cury e a quem mais for preciso. 
 
Outro com o Dr. Jaime. 
 
Todas as mensagens que qualquer um desses aparelhos enviar ou receber chegará aos demais, com exceção do que vai ficar com os Drs. Jaime e Queirós. 
 
Dessa forma, tudo (...) 100 % transparente”. 
 
Os textos eram escritos em códigos pelo traficante. 
 
Os policiais descobriram que toda vez que Beira-Mar queria se referir a Brasília ele escrevia "Bolívia". 
 
Os doutores Lopes e Queiroz são apelidos, respectivamente, do filho Marcelo e do sobrinho David. 
 
A PF confirmou que dias depois Luan Medeiros da Costa foi até um shopping de Porto Velho comprar telefones celulares. 
 
Além de orientar investimentos, o traficante dá broncas na postura dos filhos e chega a afirmar que se não fossem "parentes já estariam mortos há muito tempo. 
 
Por muito menos, o Alan morreu". 
 
A frase levantou a suspeita de que a quadrilha é responsável por mortes. 
 
Os laudos periciais mostram que os bilhetes apreendidos na cela de Beira-mar foram escritos pelo traficante.
Principal meio de comunicação de Beira-Mar é por intermédio de bilhetes (Foto: Reprodução) 
  
Principal meio de comunicação de Beira-Mar é por intermédio de bilhetes (Foto: Reprodução).
 
Alguns “bilhetes” encontrados pela Polícia Federal descrevem com riqueza de detalhes a forma de atuação e a estrutura da quadrilha. 
 
Eles demonstram que o grupo criminoso utiliza aviões (e/ou hidroaviões), helicópteros e caminhões para o transporte de drogas adquiridas na Bolívia, Paraguai e Peru.
 
Os policiais suspeitam que a quadrilha possui membros que residem na Bolívia e no Paraguai para facilitar a aquisição e o preparo das drogas. 
 
A droga é adquirida, em regra, nesses países e depois distribuída nas chamadas “firmas” dentro de comunidades no Rio de Janeiro. 
 
Em setembro de 2016, a PF apreendeu no notebook de Francisca Vanesa dos Santos um bilhete chamado de "Livro". 
 
Nele, Fernandinho Beira-Mar dá direcionamentos para a quadrilha. 
 
Beira-Mar pede explicação sobre os ganhos de cada boca-de-fumo, quanto cada arrecada e quanto custa uma arma, que ele chama de "brinquedo".
 
Em outro trecho do mesmo “bilhete” denominado “livro”, o traficante estipula os valores que devem ser repassados a ele pela venda de drogas em suas “firmas”. 
 
Ele destaca valores: R$ 25 mil da “3 Maria” (uma comunidade), R$ 15 mil da comunidade Barro Velho, R$ 5 mil da comunidade Ana Clara, R$ 5 mil da comunidade Danon e R$ 20 mil da comunidade Santa Lúcia"

Lavagem de dinheiro

As investigações mostraram que pelo menos 11 empresas foram usadas pela quadrilha para lavar dinheiro. 
 
Nesta manhã de quarta, a Polícia Federal fez buscas em uma casa de shows, em um lava-jato e em lojas criadas pela quadrilha. 
 
A polícia suspeita de que esses locais foram adquiridos com dinheiro do tráfico de drogas ou de outros negócios de Fernandinho Beira-Mar.

Criminoso atua mesmo preso

Desde 2006, Fernandinho Beira-Mar está preso em uma penitenciária federal. 
 
Em 2007, a Polícia Federal investigou o criminoso e descobriu que, apesar da vigilância, ele manteve o fornecimento de drogas (maconha e cocaína) para a maior facção de drogas do Rio. 
 
A investigação da PF na ocasião levou 19 pessoas para a prisão. 
 
A operação Fênix, como foi chamada, descobriu que Beira-mar escolheu a mulher, Jacqueline Alcântara de Morais, para sucedê-lo no comando da quadrilha. 
 
Na ocasião, 19 pessoas foram presas e condenadas pela Justiça Federal do Paraná. 
 
Em condenações, o traficante acumula penas que somam quase 320 anos de prisão em crimes como tráfico de drogas, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e homicídios.
 
Em 2015, o criminoso foi condenado a 120 anos de prisão apontado como responsável liderar uma guerra de facções, em 2002, dentro do presídio de segurança máxima Bangu I, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, quando quatro rivais foram assassinados.

Nenhum comentário: