Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

quarta-feira, janeiro 04, 2017

Pernambucana sofre ameaças após postar foto sem roupa em redes sociais


Antes da polêmica, recifense Daniela Martins já publicava fotos para incentivar outras mulheres a usarem qualquer tipo de roupa (Foto: Daniela Martins/Arquivo Pessoal) 




A estudante recifense Daniela Martins, de 21 anos, vem sendo alvo de agressões virtuais e ameaças após uma de suas postagens nas redes sociais, falando sobre aceitação do próprio corpo, viralizar. 

Até a manhã desta quarta-feira (4), a publicação com uma foto nua somava mais de 64 mil curtidas e 16,5 mil compartilhamentos. 

Devido às agressões, a jovem pretende ir ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ainda nesta quarta. 


Até o Natal do ano passado, as fotos de Daniela repercutiam na internet de forma ampla, mas positiva. 

Fora do “padrão feminino imposto” ela buscava incentivar outras mulheres a enxergar beleza independentemente do peso, por meio de fotografias e palavras afetivas. 

Foi após a publicação de uma foto sem roupa, no dia 27 de dezembro, que começaram a surgir as agressões, xingamentos e ameaças físicas à jovem. 


A polêmica, segundo a estudante de ciências biológicas, já era esperada, mas não na proporção atual. 

“O problema começou quando um menino me criticou pela foto e eu discuti com ele. 

Depois, a minha publicação chegou num grupo em que as pessoas me agrediram verbalmente e me ameaçaram”, conta a estudante. 

Segundo ela, alguns dos usuários disseram que sabiam os principais locais de circulação de Daniela e iriam agredi-la fisicamente.

"Eu me senti ameaçada, sim, mas todo ódio que chegar vou reverter em amor", explica.


A jovem chegou a procurar a polícia em dezembro do ano passado, mas, de acordo com a vítima, o Boletim de Ocorrência só poderia ser registrado caso as mensagens contendo as agressões fossem impressas. 

“Não tive como porque, para imprimir tudo, eu gastaria mais de R$ 700”, lamenta. 

“Uma amiga conseguiu uma advogada e nós vamos fazer a denúncia. 

Ainda estou tentando processar o que está acontecendo”, conta. 


Apesar da situação, a jovem se sente feliz pelas palavras de afeto que tem recebido em meio às críticas. 

“Recebi depoimentos lindos de muitas pessoas. 

O que eu fiz não foi forçado, foi algo que veio da minha vontade de mostrar que as mulheres podem se sentir lindas de qualquer jeito”, sintetiza. 




Foto foi publicada no fim do ano passado e rendeu mais de 60 mil curtidas, além das ameaças (Foto: Daniela Martins/Arquivo Pessoal) 
 

Ainda segundo Daniela, as postagens não devem parar tão cedo, apesar de a família dela não se dar conta da dimensão do caso. 

"Minha irmã é deficiente mental, então não entende totalmente o que está acontecendo. 

Minha mãe é empregada doméstica e pediu para eu não ir atrás dessa história, porque não temos como pagar advogado", conta Daniela. 


Apesar das dificuldades, ela demonstra força para encarar a situação da maneira mais sensata possível. 
“Sei quem eu sou e entendo o meu papel dentro da minha casa, na minha família e entre as pessoas com quem convivo, de mostrar que a mulher tem seu valor e que pode ser o que quiser. 

Ainda existem muitas que precisam se sentir empoderadas”, conta. 

Polícia 


Procurado pelo G1, o delegado de Repressão aos Crimes Cibernéticos Derivaldo Falcão explicou que a necessidade de se imprimir uma imagem da tela com as ofensas é devido ao link, que fica aparente no navegador do computador e funciona como uma identidade da postagem. 


"A gente precisa solicitar à rede social a identificação. 

Para isso, o link é importante. 

As pessoas pegam às vezes pelo celular e não tem o caminho. 

A gente tem que ter a postagem da ofensa com aquela URL específica", detalhou.

Nenhum comentário: