Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

domingo, novembro 06, 2016

‘Sinto na pele a intolerância religiosa’, diz candidato sobre tema do Enem

Jonathan Farias, 18 anos, foi o primeiro a deixar a prova no Colégio Parobé.
De Alvorada (RS), ele diz ter gostado do tema da redação deste ano.

 

João Henrique Bosco Do G1 RS
Resultado de imagem para Sinto na pele a intolerância religiosa’, diz candidato sobre tema do Enem 
Jonathan Farias, 18 anos, gostou do tema da redação do Enem (Foto: João Henrique Bosco/G1)


Primeiro a deixar a sala de aula no segundo e último dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o estudante Jonathan Farias, 18 anos, aprovou o tema da redação deste ano: "Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil". 

O candidato deixou o local de prova, a Escola Técnica Parobé, em Porto Alegre, pouco depois das 15h30, satisfeito e confiante com seu texto.

"Sou umbandista e sinto na pele a intolerância religiosa", afirmou ele na saída do colégio ao G1. 

Para ele, o Brasil tem “uma diversidade muito grande de religiões”. 

Natural de Alvorada, na Região Metropolitana, ele quer cursar engenharia civil.

Veja o que pode tirar pontos em redação do Enem sobre intolerância religiosa
Siga a cobertura do Enem em tempo real
Resultado de imagem para Sinto na pele a intolerância religiosa’, diz candidato sobre tema do Enem 
Jurema de Fátima Oliveira, 21 anos, também gostou do tema (Foto: João Henrique Bosco/G1)
 
 
O tema também foi aprovado pela candidata Jurema de Fátima Olvieira, de 21 anos. 

"O tema é bom, mas tem que saber argumentar", analisou a estudante, que é católica.

"O preconceito está na sociedade. 

A gente vê entre parentes, vizinhos, porque não estaria na religião?", completou ela, que quer cursar direito. 

Ela concluiu o ensino médio há dois anos.

Logo em seguida, a estudante Katielle Pereira de Freitas, 19 anos, deixou também o local de prova. 

Ela disse que esperava um tema mais atual, mas gostou muito, e aproveitou para desabafar no texto.
ENEM 2016 - DOMINGO (6) - PORTO ALEGRE (RS) - Katielle Pereira de Freitas, 19 anos, esperava tema mais atual, mas aproveitou para desabafar na redação (Foto: João Henrique Bosco/G1) 
Katielle de Freitas, 19 anos, aproveitou a redação
para desabafar (Foto: João Henrique Bosco/G1)
 
  
"O pastor reclama quando a gente vai com uma saia mais curta. 

Considero isso também  um preconceito religioso, tem na essência a intolerância", explicou ela. 

"O Brasil é tão grande, a gente tem que respeitar a religião do outro. 

Meu pai, por exemplo, é umbandista. 

Eu não gosto muito, mas respeito. 

O que não é bom pra um pode ser bom pro outro", concluiu a jovem, que quer cursar nutrição.

Interior

Em Santa Maria, a estudante Dauren Kupcke, 19 anos, disse que esperava outro tema na redação. 


"Algo relacionado a política", exemplificou. 

Para ela, porém, as questões de matemática foram as mais difíceis da prova. 

Ela fez o exame no Colégio Estadual Manoel Ribas, na cidade, na Região Central do estado.
Resultado de imagem para Dayle Fernandes
Dayle Fernandes, 22 anos, saiu da prova do Enem otimista (Foto: Gabriela Fogliarini/RBS TV)
 

Gostou do tema da redação, mas considerou as questões de matemática bem difíceis. 

Ela trabalha como secretária e quer uma vaga no curso de educação especial

A edição de 2016 do Enem acontece em meio à polêmica sobre o adiamento das provas para parte dos candidatos por causa das ocupações em escolas e instituições. 

No Rio Grande do Sul, são 1.952 concorrentes que farão o Enem nos dias 3 e 4 dezembro.

O Enem ocorre normalmente neste fim de semana para 8,386 milhões de participantes no Brasil. 

A prova aplicada em dezembro terá o mesmo modelo e nível de dificuldade do Enem deste fim de semana, mas com questões diferentes.
ENEM 2016 - DOMINGO (6) – PORTO ALEGRE (RS) – Estudantes chegam para o segundo dia do Enem na Escola Técnica Parobé, em Porto Alegre (Foto: João Henrique Bosco/G1)Estudantes chegam para o segundo dia do Enem na Escola Técnica Parobé, em Porto Alegre (Foto: João Henrique Bosco/G1)
 
 
COMENTÁRIO:
 
Pior que a intolerância religiosa, é a evasão de divisas dos grandes grupos religiosos que não prestam contas a Receita Federal através de declarações de bens, por serem beneficiados com a isenção dessa cobrança, por se tratar de entidades "sem fins lucrativos".
 
Ainda que seus líderes religiosos usufruam financeiramente do que arrecadam dos seus adeptos,  chegando até a adquirirem fazendas, jatinhos e imóveis espalhados em diversas cidades brasileira e fora do Brasil. 

Essa tal de intolerância acontece até entre os fanáticos torcedores de times de futebol, que chegam até a matar torcedores de times adversários, quando seus times estão se enfrentando nos estádios. 

A solução para a "intolerância religiosa" no Brasil, é o Congresso Nacional criar uma lei extinguindo todos rótulos de religiões e seus templos, preservando a liberdade religiosa de cada um, permitindo que as pessoas possam se reunir em lares, ou outros locais apropriados, a fim de preservarem seus rituais de adoração aos "deuses" em que acreditam. 
 
Como o Deus em que eu acredito, procura verdadeiros adoradores que O adorem em espírito e em verdade, para mim não faria nenhuma falta a extinção desses templos que denominam de "Igreja", porque o Deus que criou o universo não habita em templos feitos por mãos de homens, mas em todas as pessoas que se convertem a Ele através de Jesus Cristo, "Nascendo de novo" da Água e do Espírito Santo, se transformando em "Nova Criatura", adquirindo a identidade de "Templo do Espírito Santo", Igreja viva do Deus vivo.
 
 
Valter Desiderio Barreto. 
 

Nenhum comentário: