Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

sábado, novembro 05, 2016

Curandeiro trata medo dos latinos por possível vitória de Donald Trump

Lázaro Ramos tem loja especializada em Los Angeles.
Candidato republicano ameaçou deportar 11 milhões de imigrantes ilegais.

 

Da France Presse
Um curandeiro trata o medo dos latinos por Trump (Foto: Frederic J. Brown / AFP)Um curandeiro trata o medo dos latinos por Trump (Foto: Frederic J. Brown / AFP) Lázaro Paz tem estado ocupado nos últimos dias. 


É curandeiro e em sua pequena loja de Los Angeles chegam pessoas com um pedido incomum: acalmar o pânico gerado por Donald Trump.

A apenas três dias da eleição presidencial nos Estados Unidos, as pesquisas preveem que a disputa será muito acirrada. 

Uma vitória do magnata republicano é, de fato, possível.

Isso tem aterrorizado muitos hispânicos, incluindo Guadalupe López, de 32 anos e desde 2007 nos Estados Unidos, onde entrou ilegalmente.

"Casei-me e estou em trâmites para conseguir meus documentos. 

Se Trump entrar tudo irá abaixo. 

Este homem não quer os latinos, na verdade não quer ninguém. 

Ele vai começar a deportar todos nós", afirma este mexicano que atualmente trabalha em uma fábrica de reciclagem.

Trump ameaçou deportar 11 milhões de imigrantes ilegais e construir um muro na fronteira sul, afirmando que os mexicanos são criminosos e estupradores.

"Este senhor não vai vencer", afirma Lázaro, de 34 anos, que, para acalmar a angústia de seus clientes, como Guadalupe, faz um "descarrego através de orações".

"Rezamos para as pessoas para que recuperem sua 'vontade' (estado de ânimo)", explica à AFP na pequena sala localizada na parte de trás de sua loja, cheia de velas e imagens da Santa Muerte, uma delas em tamanho grande: o esqueleto e a adaga pretos, o vestido dourado e, ao redor, uma vela e uma garrafa de cerveja "que ela gosta".

Também receita um chá "composto por três ervas com o qual as pessoas dormem a noite toda e no dia seguinte se levantam bem".

- Vela "reversível" -Há 27,3 milhões de latinos registrados para votar nos Estados Unidos (12% do eleitorado), mas apenas 13 milhões devem ir às urnas. 

Se superarem os 15 milhões, seu voto poderia ser determinante.
Velas são vendidas na loja do curandeiro em Los Angeles (Foto: FREDERIC J. BROWN / AFP)Velas são vendidas na loja do curandeiro em Los Angeles (Foto: FREDERIC J. BROWN / AFP)


A loja de Lázaro está repleta de imagens de santos e velas de todos os tipos. 

Por exemplo, o curandeiro, que aprendeu os ritos de cura com sua mãe, colocou uma vela preta e outra vermelha dentro de um frasco de vidro com a palavra "reversível" escrita em letras brancas - "para que todo o mal que diz volte contra ele" - e para Hillary uma que faça com que "seu caminho (ao poder) seja destrancado".

"Fizeram bruxaria com a senhora, esta tosse que ela teve, a atacaram, queriam parar seu coração. 

Eu fiz uma oração para ela", afirma em relação à pneumonia que a candidata sofreu em setembro.

Normalmente, as pessoas procuram os curandeiros por temas de prosperidade, amor, consolo... 

A política não é algo comum. 

Mas, nas últimas semanas, entre 20 e 30 pessoas procuraram Lázaro e muitos outros em Los Angeles devido à ansiedade que esta disputa eleitoral provoca.

Não é para menos, já que apenas na Califórnia há dois dos 11 milhões de imigrantes ilegais nos Estados Unidos, em sua maioria mexicanos.

Lázaro chegou de Puebla e Guadalupe de Guanajuato. 

Ambos cruzaram a pé a fronteira - o primeiro pela Califórnia, o outro pelo Arizona - caminhando durante dias no brutal deserto.

A vantagem de Hillary sobre Trump diminuiu 3 pontos, o equivalente à margem de erro, segundo uma pesquisa do jornal The New York Times e da rede CBS publicada na quinta-feira.

Guadalupe diz estar mais tranquilo - o chá fez efeito -, mas a angústia está intacta ao menos até o esperado 8 de novembro eleitoral.
O curandeiro Lázaro Paz mostra os produtos que vende (Foto: Frederic J. Brown / AFP) 
O curandeiro Lázaro Paz mostra os produtos que vende (Foto: Frederic J. Brown / AFP)

Nenhum comentário: