Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

terça-feira, outubro 18, 2016

Sem benefícios, Abdelmassih poderá sair da prisão depois dos 100 anos

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

Foragido desde 2011, médico Roger Abdelmassih é preso no

19.ago.2014 - Foto cedida pela Senad (Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai) mostra o momento da prisão do ex-médico Roger Abdelmassih na tarde desta terça-feira (19), em Assunção. 

Abdelmassih estava vivendo no país com a mulher e os dois filhos de três anos em uma luxuosa casa, em uma das áreas mais caras da capital paraguaia. 
 
Ele foi condenado a 278 anos de prisão pelo estupro de 39 clientes e de uma funcionária de sua clínica de reprodução assistida em São Paulo, entre os anos de 1995 e 2008 VEJA MAIS > Imagem: Senad/ EFE
 
A pena que o ex-médico Roger Abdelmassih cumpre, desde a última quarta-feira (20), "equivale à prisão perpétua", aponta o advogado criminalista Sergei Cobra Arbex. 

Caso a Justiça não conceda benefícios a Abdelmassih --condenado a 278 anos de prisão por 48 estupros, denunciados por 37 mulheres--, ele terá de cumprir 30 anos de detenção, período máximo permitido pela legislação brasileira. 

Como o ex-médico completa 71 anos no próximo dia 3 de outubro, ele vai ter 100 anos quando poderá deixar a prisão.

Sem possíveis benefícios que a Justiça possa dar a Abdelmassih, cumprir os 30 anos seria o mínimo para que ele consiga ter direito a sair da prisão. 

A chance de mudança do regime fechado para o semiaberto existe apenas após o cumprimento de dois quintos da pena; ou seja, daqui a 111 anos.

A razão desse período é a base de cálculo, como explica Marco Aurélio Florêncio, professor de Direito Penal do Mackenzie. 

"Os benefícios do processo de execução, tais como progressão de regime e livramento condicional dar-se-ão em cima da pena total aplicada, 278 anos, e não dos 30 anos, tempo máximo [de detenção]".

No período a cumprir na prisão, já estão incluídos os quatro meses em que ele ficou preso --de 17/8 a 23/12 de 2009, no 40º Distrito Policial, de Vila Santa Maria, em São Paulo. 

Assim, Abdelmassih tem, hoje, que permanecer recluso por mais 29 anos e oito meses.

Atenuantes

Os problemas de saúde que o ex-médico alega para cumprir a pena em regime fechado domiciliar podem possibilitar a saída dele da prisão antes dos 30 anos. 


"Por questões humanitárias e de saúde, nada obsta um pedido de cumprimento de pena em regime domiciliar", lembra o professor, com base na legislação.

Um dos argumentos de Abdelmassih é uma comparação com o caso do ex-presidente nacional do PT José Genoino, condenado por participação no esquema do mensalão, que conseguiu . 

"Só que o Genoino tinha uma pena menor e já a cumpria no semiaberto", pontua Arbex. 

O político cumpre, desde novembro de 2013, de quatro anos e oito meses de reclusão pelo crime de corrupção ativa. 

Neste mês, ele passou do regime semiaberto para o domiciliar. 

Na visão do criminalista, para que o ex-médico saía da prisão, "teria que ser uma excepcionalidade". 

"A lei não prevê, na execução da pena, se pode conseguir algum tipo de benefício. 

Não há uma previsão na legislação. 

A chance dele é muito pequena".

Primeira prisão
Abdelmassih foi preso preventivamente há cinco anos pelas, à época, suspeitas de estupro. 


Contudo, no final de 2009, o então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes permitiu que ele aguardasse o julgamento em liberdade. 

A decisão foi tomada com o argumento de que o réu deveria ficar solto até serem decididos todos os recursos, mesma liminar que o impediu de ser preso imediatamente após sua condenação, em 2010.

O ex-médico teve sua prisão decretada pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) assim que se soube, por meio da PF (Polícia Federal), que ele pedira a renovação de seu passaporte, o que foi entendido pela Justiça como sinal de que Abdelmassih planejava fugir. 

De 6 de janeiro de 2011 até a última quarta-feira, ele foi considerado foragido e tido como a pessoa mais procurada de São Paulo. "Ele está preso por ter fugido. Ele não se entregou, ele foi capturado", recorda Arbex.

Abdelmassih teve seu registro de médico cassado definitivamente pelo Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo) em 29 de julho de 2010. Ele já estava suspenso das atividades médicas desde agosto de 2009, meses após do surgimento das primeiras denúncias, em janeiro.

"Ele agarrava a gente no pós-cirúrgico": veja relato de vítimas


 
Condenado por 48 estupros, Abdelmassih pede para deixar a prisão, diz TV
 
 Abdelmassih oferecia rejuvenescimento proibido de óvulos, diz TV
 
Roger Abdelmassih tinha uma vida de luxo no Paraguai

Prisão de Roger Abdelmassih
Eduardo Anizelli/Folhapress
Abdelmassih chorou e se disse arrependido, diz delegado
Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress





 
Roger Abdelmassih pode ter feito mais vítimas 

Nenhum comentário: