Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

segunda-feira, outubro 17, 2016

Coronel Chavarry é indiciado por sequestro de recém-nascido

PM reformado já responde por estupro de vulnerável.
Ele teria tirado o bebê de uma ambulante e entregue a outra família.

 

Do G1 Rio

A Polícia Civil informou na tarde desta segunda-feira (17) que o coronel PM reformado Pedro Chavarry, que já responde por estupro de vulnerável após ser flagrado com uma criança de dois anos nua em um posto de gasolina, foi indiciado por subtração de incapaz. 

O indiciamento se refere à denúncia de que o coronel tirou o bebê de uma vendedora ambulante e a teria entregue a uma outra família, como mostrou o Bom Dia Rio.

A mãe da criança, uma vendedora ambulante, mãe de sete filhos, conta que conheceu o militar quando estava em um abrigo. 

Disse que ele batizou a filha mais velha e, de vez em quando, ele levava as outras crianças para passear.

“Eu achei que ele era um homem com caráter, puro, sincero, mas não foi, não é?”, concluiu a ambulante.

De acordo com as investigações da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV) é suspeito de ter dado uma das filhas da mulher para outra criar.

“Ele retirou a criança daquela família e colocou em uma família substituta. 

E ele também vai responder por este crime, que está disposto no ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente]. 

É importante dizer que não pode, em hipótese alguma, alguém tirar o filho de uma pessoa, mesmo se for por uma questão nobre, e colocar em outra família”, explicou a delegada Cristiana Bento.

A delegada acredita que a menina foi levada porque seria mais fácil para Pedro Chavarry levar a criança se ela estivesse em uma outra família.

“Há indícios de que ele poderia também abusar dessas crianças,” destacou a delegada. 

Os agentes levaram um mês para encontrar a mulher que teria ficado com a criança da ambulante. 

Eles só tinham o primeiro nome e a empresa onde ela trabalhava. 

Ela confirmou que recebeu a criança de Pedro Chavarry.

“Ele falou: você quer ficar com ela? 

Então você fica, porque ela não tem condições de ficar. 

Ela mora na rua, ela é usuária de drogas, então ela não tem como ficar com esse bebê. 

O Pedro nunca mais entrou em contato comigo e ele foi ficando,” afirmou a mulher que ficou com a criança.

Ao ver a imagem da filha crescida pela primeira vez, a ambulante ficou feliz, mas lamentou. 

“Fiquei feliz, mas não fico confortável em saber que ela saiu de perto de mim pequenininha, e olha a idade dela hoje, sem eu abraçar e sem tocar”.

A pena pode chegar a seis anos de prisão. 

O casal que ficou com o bebê também será indiciado por registrar o filho de outra pessoa. 

A pena prevista para esses casos é a mesma.

“Eles registraram a menina como filha da própria mãe biológica, mas com outro pai. 

E aí que está o crime. 

De registrar o filho de outro como filho próprio,” afirmou a delegada Cristiana Bento.

O destino da menina será decidido pela Justiça. 

“O muito triste desta história é que, qualquer que seja a solução, o dano já está causado. 

Uma criança que é retirada do seu ambiente familiar, que é criada por outra família, que vive com outra família por muito tempo, já tem uma história que não conseguirá ser recomposta por uma decisão judicial”, contou a juíza Andréa Pachá.
Ainda de acordo com a Polícia Civil, esta não teria sido a única criança levada por Chevarry, segundo a denúncia. 

A mãe ainda contou aos policiais civis que outro filho também teria sido levado pelo coronel, fato ocorrido há aproximadamente 3 anos, mas conseguiu ser localizado pela própria mãe, um ano e meio depois, na comunidade Uga uga, em Bonsucesso.

Nenhum comentário: