Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

domingo, julho 17, 2016

Lixões irregulares no DF custam até R$ 15 milhões por ano, diz SLU

De janeiro a maio, órgão gastou R$ 10,7 milhões na retirada de entulhos.
DF tem 897 lixões; locais incluem área nobres, como vizinhança do Jaburu.

Alexandre BastosDo G1 DF
O catador Emílio Silva mora com 19 famílias em um lixão localiado a 1,5 km do Palácio do Jaburu, em Brasília. (Foto: Alexandre Bastos/G1) 
O catador Emílio Silva, que mora com 19 famílias em um lixão junto à cerca do Palácio do Jaburu, residência oficial do presidente em exercício, Michel Temer (Foto: Alexandre Bastos/G1)
 
O Distrito Federal tem ao menos 897 lixões clandestinos a céu aberto, de acordo com levantamento da Agência de Fiscalização (Agefis). 

Alguns dos pontos de descarte irregular de lixo e entulho estão em áreas nobres de Brasília – um dos maiores fica junto à cerca do Palácio do Jaburu, residência oficial do presidente em exercício, Michel Temer, e do Clube de Golfe.


Para limpeza dessas áreas, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) gastou R$ 15 milhões em 2015. 

De janeiro a maio deste ano, o custo de remoção de entulhos dessas áreas  chegou a R$ 10,7 milhões. 

Essas áreas de descarte continuam a crescer mesmo com a aplicação de multas, que variam de R$ 74 a R$ 185 mil, dependendo do local, da quantidade e do tipo do resíduo descartado irregularmente.

A quantidade diária de lixo produzida pelos moradores do DF é de 2,7 toneladas. Mais de 70% – 1,9 tonelada – são resíduos da construção civil. 

Atualmente, existem quatro áreas de transbordo, triagem e reciclagem de resíduos, nas regiões do Gama, Brazlândia, Sobradinho e Asa Sul.

Nenhuma, porém, é específica para receber entulhos de obras.

Imagem de satélite mostra lixão a céu aberto junto às áreas do Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-Presidência, Clube de Golfe de Brasília e do Centro Cultural Banco do Barsil, em Brasília (Foto: Google/Reprodução e G1)Imagem de satélite mostra lixão a céu aberto junto às áreas do Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-Presidência, Clube de Golfe de Brasília e do Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília (Foto: Google/Reprodução e G1)
 
No lixão localizado a 1,5 km da entrada principal do Palácio do Jaburu vivem 19 famílias de catadores com cerca de 20 crianças.

 Eles afirmam ocupar o local há mais de oito anos. 

Nesse período, eles foram removidos do local duas vezes, mas acabam retornando, devido à falta de opções de renda. 

No lixão, eles ganham algum dinheiro com a separação de material para reciclagem.

“Nós sobrevivemos da reciclagem. 

Eu crio galinhas, até elas foram empurradas nas retiradas. 

Em algumas derrubadas eles [servidores do governo do Distrito Federal] têm educação para remover”, afirma o catador Rômullo Soares, que é “vizinho” do  presidente em exercício.

O catador Emílio Silva afirma ganhar R$ 300 mensais com a venda de material reciclável que chega em caminhões que descarregam lixo no local diariamente. 


Os catadores conseguem R$ 0,10 por cada quilo de sucata vendida. 

Segundo eles, o quilo das latinhas de alumínio varia de R$ 0,18 a R$ 0,20. 

A venda do material é feita a cooperativas.

O catador Santiago Sousa carrega um dos sacos de 30 kg de latinhas para a pesagem da cooperativa (Foto: Alexandre Bastos/G1) 
O catador Santiago Sousa carrega um dos sacos de 30 kg de latinhas para pesagem; material é vendido a cooperativa de reciclagem (Foto: Alexandre Bastos/G1)

Segundo ele, os veículos trazem para a área resíduos produzidos nos ministérios e prédios públicos da Esplanada.


O SLU retira parte do entulho e lixo deixado irregularmente nessas áreas e leva o material para aterros regulares, como o do Jóquei, na Cidade Estrutural.

De acordo com o órgão, a situação só deve melhorar quando for o inaugurado o aterro de Samambaia, previsto para começar a operar ainda neste semestre. 


A nova área de descarte, na DF-180, entre Samambaia e Ceilândia, deve permanecer em atividade por até 13 anos, segundo o SLU. 

O local aguarda apenas o fim da construção de galpões onde o material será estocado.

Gari recolhe material reciclável em lixão irregular de Brasília (Foto: Alexandre Bastos/G1)Gari recolhe material reciclável em lixão irregular de Brasília, em área de cerrado (Foto: Alexandre Bastos/G1)
 
Por mais de 20 anos a política nacional dos resíduos sólidos foi discutida na Cãmara Federal com professores, profissionais e envolvidos. 
 
 Em 2010 foi sancionada a Política Nacional de Resíduos Sólidos, mas a dificuldade está em aplicar e regulamentar a lei dentro dos estados, municípios e do DF"
Izabel Cristina Zaneti,
professora da UnB
 
Dano ambiental irreversível

A professora do Núcleo de Sustentabilidade da Universidade de Brasília, Izabel Cristina Zaneti, afirma que os depósitos irregulares de lixo trazem prejuízos ambientais e financeiros que podem ser irreversíveis.


"No Distrito Federal temos uma série de áreas de proteção ambiental e nascentes que podem ser afetadas com o descarte irregular de lixo. 

Os materiais podem produzir chorume [resíduo líquido do lixo], que contamina os lençóis freáticos e a própria terra", afirma.

Na UnB, a professora lidera um grupo que busca implementar coleta seletiva nos quatro campi da universidade. 

Ela também realiza oficinas de capacitação com a comunidade acadêmica.

Izabel afirma que a solução para a questão do lixo precisa ser pensada com antecedência e planejamento. 

"O aterro sanitário é a maneira mais correta de se dispor os resíduos. 

No local, existem duas camadas que impermeabilizam o solo e não permitem ao chorume descer à terra.

É uma obra caríssima, porém não permanente.

Depois de 15 anos é preciso encontrar outro lugar."

Caminhão de cooperativa de reciclagem de Taguatinga, no Distrito Federal, coleta material reunido por catadores em área de despejo irregular da Asa Norte (Foto: Alexandre Bastos/G1)Caminhão de cooperativa de reciclagem de Taguatinga coleta material reunido por catadores em área de despejo irregular da Asa Norte (Foto: Alexandre Bastos/G1)
 
A professora explica que a burocracia e custos dificultam a adoção de medidas efetivas para enfrentar o problema.

"Em 2010 foi sancionada a Política Nacional de Resíduos Sólidos, mas a dificuldade está em aplicar e regulamentar a lei dentro dos estados, municípios e do DF. 

Por mais de 20 anos esse assunto foi discutido na Câmara Federal com professores e profissionais", diz.

Segundo ela, após a inauguração do aterro de Samambaia, o lixão da Estrutural – um dos maiores da América Latina – deve ser desativado e usado somente como área de transbordo, para separação do lixo volumoso antes de sua destinação final.

Funcionário de cooperativa calibra balança para pesagem de material reciclável coletado com catadores da Asa Norte (Foto: Alexandre Bastos/G1)Funcionário de cooperativa confere calibragem de balança usada na pesagem de material reciclável coletado com catadores da Asa Norte (Foto: Alexandre Bastos/G1)

Nenhum comentário: